Apostilas de Concursos 2020

Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF Edital Online Inscrições

Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF Download aqui. Concurso Ilhabela SP 2020 Edital Online e Inscrições Online aqui.

Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa


Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF Edital Online Inscrições
Apostila PDF Digital e Impressa
03 Apostilas Disponíveis
Link Direto de cada Apostila PDF e Impressa

Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa Cargo Professor de Educação Básica - Educação Infantil (1 a 5 anos) Clicando Aqui!

Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa Cargo Professor de Educação Básica - Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) Clicando Aqui!

Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa Comum aos Cargos de Professor Clicando Aqui!

Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 Edital Online Completo e Inscrições

Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 Edital Online Completo abaixo e Inscrições do Concurso Ilhabela SP 2020.

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA

DE ILHABELA

PROCESSO SELETIVO – EDITAL Nº 01/2020 (Contendo a retificação nº 01)

A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, através da Secretaria Municipal de Educação, nos termos da legislação vigente, torna público a realização de Processo Seletivo de provas para cargos com vagas de cadastro reserva, especificada na Tabela, do Capítulo I, deste Edital. O Processo Seletivo reger-se-á pelas disposições contidas nas Instruções Especiais, que são parte integrante deste edital.

INSTRUÇÕES ESPECIAIS

1. DO PROCESSO SELETIVO

1.1.O Processo Seletivo destina-se à contratação em caráter temporário.

1.1.1.Os candidatos aprovados no processo seletivo e convocados para nomeação e posse, serão subordinados ao regime estatutário, instituído pela Lei Municipal nº 1.326/2018 e suas alterações e Lei Federal nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional.

1.2.O prazo de validade do Processo Seletivo será de 01 (um) ano, contado a partir da data da homologação do resultado final, podendo, a critério da Prefeitura Municipal de Ilhabela, ser prorrogado uma vez por igual período.

1.3.Os candidatos habilitados serão contratados segundo a necessidade de pessoal e disponibilidade orçamentária da Prefeitura Municipal de Ilhabela, obedecendo à ordem de classificação final, podendo os remanescentes serem aproveitados dentro do prazo de validade do Processo Seletivo.

1.4.Os direitos e obrigações decorrentes da contratação para função docente ficarão suspensos sempre que ao contratado não forem atribuídas aulas.

1.5.A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela concede os salários especificados para os Cargos descritos na Tabela I, do Capítulo 1, deste edital.

1.6.A escolaridade, o valor da inscrição, o código da opção, o cargo, o nível, o número de vagas, o salário inicial, a carga horária diária, os requisitos mínimos exigidos, a cidade de lotação e a cidade de realização das provas são os estabelecidos nas tabelas abaixo:



TABELA I

ESCOLARIDADE – SUPERIOR COMPLETO





 

 

Vagas Ampla

Vagas

Salário Inicial e

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Período de

Valor das

Cód.

CARGO

 

 

Requisitos Mínimos Exigidos

 

Aplicação

Concorrência

PCD

Carga Horária

 

 

 

Inscrições

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

das Provas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Básica – (Educação Infantil

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e Ensino Fundamental de

 

 

Licenciatura Plena em Pedagogia com formação em

 

 

300

1º ao 5º ano – para

CR

-

Carga Horária de 30

Magistério ou Normal Superior (com Licenciatura –

X

R$ 55,00

ministrar aulas nas

horas semanais, incluso

Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino

 

 

 

 

 

 

Comunidades

 

 

HTP (individuais e

Fundamental), nos termos da legislação vigente.

 

 

 

Tradicionais em classes

 

 

coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

multisseriadas)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

Licenciatura Plena em Pedagogia com formação em

 

 

301

Básica – Educação

CR

-

Carga Horária de 30

Magistério ou Normal Superior (com Licenciatura –

X

R$ 55,00

Infantil (de 1 a 5 anos de

horas semanais, incluso

Educação Infantil), nos termos da legislação

 

 

 

 

 

 

idade)

 

 

HTP (individuais e

vigente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

Licenciatura Plena em Pedagogia com formação em

 

 

 

 

 

Carga Horária de 30

 

 

 

Básica – Ensino

 

 

Magistério ou Normal Superior (com Licenciatura –

Y

 

302

CR

-

horas semanais, incluso

R$ 55,00

Fundamental (de 1º ao 5º

Séries Iniciais do Ensino Fundamental), nos termos

 

 

 

 

HTP (individuais e

 

 

 

ano)

 

 

da legislação vigente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Normal Superior (com Licenciatura – Séries do

 

 

 

Professor de Educação

 

 

 

Ensino Fundamental), nos termos da legislação

 

 

 

Básica - (Educação Infantil

 

 

R$26,37 hora/aula

vigente

ou

Licenciatura

Plena

em

 

Pedagogia;

 

 

 

e Ensino Fundamental de

 

 

ambos com pós ou especialização em Educação

 

 

 

 

 

Carga Horária de 40

X

 

303

1º ao 9º ano - Educação

CR

-

Especial / Educação inclusiva, com carga horária

R$ 55,00

horas semanais, incluso

 

 

Inclusiva

 

 

mínima de 360 horas; ou Pós-Graduação Stricto

 

 

 

 

 

HTP (individuais e

 

 

 

Intelectual/Mental)

 

 

Sensu na Área de Educação Especial / Educação

 

 

 

 

 

coletivas).

 

 

 

 

 

 

Inclusiva.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Normal Superior (com Licenciatura – Séries do

 

 

 

 

 

 

 

Ensino Fundamental), nos termos da legislação

 

 

 

 

 

 

 

vigente ou Licenciatura Plena em Pedagogia;

 

 

 

 

 

 

 

ambos com Pós Graduação (Lato Sensu ou Stricto

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

Sensu) ou Especialização em Educação Especial ou

 

 

 

Básica - (Educação Infantil

 

 

Educação Inclusiva, com carga horária mínima de

 

 

304

e Ensino Fundamental de

CR

-

Carga Horária de 40

360

horas

e

habilitação

específica

em

X

R$ 55,00

1º ao 9º ano - Educação

horas semanais, incluso

Audiocomunicação

e/ou

LIBRAS

 

(linguagem

 

 

 

 

 

 

 

 

Inclusiva

 

 

HTP (individuais e

Brasileira de Sinais); ou Pós Graduação em

 

 

 

Audiocomunicação)

 

 

coletivas).

Educação Especial e Certificado de proficiência em

 

 

 

 

 

 

 

LIBRAS (Linguagem Brasileira de Sinais); ou Pós

 

 

 

 

 

 

 

Graduação em Educação Especial e Certificados

 

 

 

 

 

 

 

afins na área de LIBRAS (Linguagem Brasileira de

 

 

 

 

 

 

 

Sinais).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Básica - (Educação Infantil

 

 

Licenciatura Plena em Pedagogia com formação em

 

 

305

e Ensino Fundamental de

CR

-

Carga Horária de até

Magistério ou Normal Superior (com Licenciatura –

X

R$ 55,00

1º ao 9º ano

40 horas semanais,

Educação Infantil), nos termos da legislação

 

 

 

 

 

 

 

Acompanhamento

 

 

incluso HTP (individuais

vigente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pedagógico)

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

Normal Superior, Pedagogia ou Licenciatura Plena,

 

 

 

Básica - (Educação Infantil

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

com experiência comprovada de 1 ano em qualquer

Y

 

306

e Ensino Fundamental de

CR

-

R$ 55,00

40 horas semanais,

das

linguagens: Design,

Música,

Teatro, Dança,

 

 

1º ao 9º ano Arte e

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

Audiovisual, Artesanato, Pintura e Desenho

 

 

 

 

Cultura)

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

Licenciatura Plena em Pedagogia ou

Licenciatura

 

 

 

Básica - (Educação Infantil

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

Plena em

Matemática

ou

Licenciatura

Plena

em

Y

 

307

e Ensino Fundamental de

CR

-

R$ 55,00

40 horas semanais,

Educação

Física (com

registro

no

Conselho

 

 

1º ao 9º ano Jogos

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

Regional de Educação Física)

 

 

 

 

 

 

 

Pedagógicos)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Básica - (Educação Infantil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

Normal

Superior

ou

Licenciatura

 

Plena

em

Y

 

308

e Ensino Fundamental de

CR

-

 

R$ 55,00

40 horas semanais,

Pedagogia, Ciências, História ou Geografia.

 

 

 

1º ao 9º ano Hábitos e

 

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Atitudes)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Arte

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(Educação Infantil e Ensino

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

Licenciatura

Plena

em

Arte ou

Licenciatura

X

 

309

Fundamental de 1º ao 9º

CR

-

R$ 55,00

40 horas semanais,

equivalente conforme anexo III

 

 

 

 

 

 

ano e Suplência de 5ª a

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8ª série)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Ciências

 

 

R$26,37 hora/aula

Licenciatura

Plena

em

Ciências

ou

Licenciatura

 

 

 

Físicas e Biológicas -

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

X

 

310

(Ensino Fundamental 6º ao

CR

-

equivalente conforme anexo III

 

 

 

 

R$ 55,00

40 horas semanais,

 

 

 

 

 

 

9º ano e Suplência de 5ª a

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8ª série)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




 

Professor de Educação

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Física – (Educação Infantil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

Licenciatura

Plena

em

Educação

Física (com

X

 

311

e Ensino Fundamental de

CR

-

R$ 55,00

40 horas semanais,

registro no Conselho Regional de Educação Física)

 

 

1º ao 9º ano e Suplência de

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5ª a 8ª série)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Geografia –

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

312

(Ensino Fundamental 6º ao

CR

-

Carga Horária de até

Licenciatura

Plena

em

Geografia

ou

Licenciatura

X

R$ 55,00

9º ano e Suplência de 5ª a

40 horas semanais,

equivalente conforme anexo III

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8ª série).

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de História –

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

313

(Ensino Fundamental 6º ao

CR

-

Carga Horária de até

Licenciatura

Plena

em

 

História

ou

Licenciatura

X

R$ 55,00

9º ano e Suplência de 5ª a

40 horas semanais,

equivalente conforme anexo III

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8ª série)

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Língua

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Inglesa – (Educação

 

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Infantil, Ensino

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carga Horária de até

 

 

 

 

 

 

 

Y

 

314

Fundamental de

CR

-

Licenciatura Plena na Disciplina Específica

R$ 55,00

40 horas semanais,

 

 

ao 9º ano e Suplência de 5ª

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

a 8ª série)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Matemática

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

315

- (Ensino Fundamental 6º

CR

-

Carga Horária de até

Licenciatura Plena em Matemática ou Licenciatura

X

R$ 55,00

ao 9º ano e Suplência de 5ª

40 horas semanais,

equivalente conforme anexo III

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

a 8ª série)

 

 

 

incluso HTP (individuais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

e coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Língua

 

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

316

Portuguesa – (Ensino

 

CR

-

Carga Horária de até 40

 

 

 

 

 

 

 

X

R$ 55,00

Fundamental 6º ao 9º ano

Licenciatura Plena na Disciplina Específica

 

 

 

 

horas semanais, incluso

 

 

 

e suplência de 5ª a 8ª série

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

HTP (individuais e

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Básica – (Ensino

 

 

 

R$26,37 hora/aula

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fundamental de 1º ao 9º

 

 

Carga Horária de até 40

Licenciatura

Plena

em

uma

das

Disciplinas

Y

 

317

ano – para ministrar aulas

CR

-

Específicas:

Língua

Portuguesa,

Matemática,

R$ 55,00

 

 

nas Comunidades

 

 

 

horas semanais, incluso

Geografia, História ou Ciências.

 

 

 

 

 

Tradicionais em classes

 

 

HTP (individuais e

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

multisseriadas)

 

 

 

coletivas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1.7.As atribuições típicas de cada cargo estão descritas no Anexo I deste Edital.

1.8.Todas as etapas constantes deste Edital serão realizadas observando-se o horário oficial de Brasília/DF.

1.9.Todos os Cargos contam com o benefício de Vale Alimentação.

2. DAS CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO

2.1.O candidato deverá ler o edital em sua íntegra e ao se inscrever, estará declarando, sob as penas da lei, que, após a habilitação no Processo Seletivo e no ato da contratação, irá satisfazer as seguintes condições:

2.1.1.Ter nacionalidade brasileira ou portuguesa e, em caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo Estatuto da Igualdade entre Brasileiros e Portugueses, com reconhecimento de gozo de direitos políticos, nos termos do parágrafo 1º, artigo 12, da Constituição Federal e do Decreto Federal nº 70.436/72;

2.1.2.Ter, na data da contratação, idade igual ou superior a 18 (dezoito) anos;

2.1.3.No caso do sexo masculino, estar em dia com o Serviço Militar;

2.1.4.Ser eleitor e estar quite com a Justiça Eleitoral;

2.1.5.Possuir documentação comprobatória, no ato da convocação, dos REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS para o cargo, conforme especificado na Tabela I, do Capítulo 1, e a DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA determinada no item 13.5 do Capítulo 13, deste edital;

2.1.6.Ter aptidão física e mental e não ser portador de deficiência física incompatível com o exercício das atribuições do cargo, comprovada em inspeção realizada pelo Médico do Trabalho indicado pela Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela;

2.1.7.Não ter sido dispensado por justa causa, ou exonerado a bem do serviço público.

Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 Inscrições

Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 Inscrições Online abaixo do Concurso Ilhabela SP 2020.

3.DAS INSCRIÇÕES

3.1. As inscrições serão realizadas via Internet, no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, de acordo com o período mencionado no Anexo IV, conforme o horário oficial de Brasília/DF.

3.2.Para realizar a inscrição, o candidato deverá acessar o site www.nossorumo.org.br e selecionar o certame desejado no campo “Inscrições abertas”. Uma nova tela será aberta com as informações do certame escolhido e o(a) interessado(a) deverá selecionar a opção

“Inscreva-se já”, na qual será solicitado o número do CPF.

3.2.1.Após os procedimentos descritos no item 3.2., caso o(a) interessado(a) ainda não esteja cadastrado no site, será aberta uma tela chamada “Cadastro”, na qual o(a) interessado(a) deverá fornecer as informações solicitadas, corretas e completas, responsabilizando-se pela veracidade destas;

3.2.2.Ao(À) candidato(a) que possuir cadastro no site, após digitar o número do CPF, será solicitada a senha de cadastro no site. Quando abrir a tela de inscrição, deve-se conferir todos os dados pessoais e, caso seja necessário, realizar as alterações;

3.2.3.Na sequência do preenchimento dos dados pessoais, devem ser preenchidos os campos referentes à inscrição;

3.2.4.Após realizar os procedimentos mencionados acima, o(a) candidato(a) encontrará um campo denominado “Serviços Adicionais”. Nesse campo, o(a) candidato(a) terá a opção de contratar os serviços adicionais. Os valores, a descrição dos serviços adicionais e o detalhamento destes estarão disponíveis para consulta no mesmo campo, por meio do link "Saiba mais".

3.2.4.1.Caso o(a) candidato(a) queira adquirir algum serviço adicional, relacionado ao respectivo certame, deverá selecionar o(s) campo(s) correspondente(s), ativando essa(s) opção(ões);

3.2.4.2.Os valores referentes aos serviços adicionais, serão cobrados via boleto bancário, juntamente com o valor da inscrição, que deverá ser pago até o vencimento.

3.3.Após o pagamento do boleto bancário, não haverá devolução dos valores, em hipótese alguma, devendo o(a) candidato(a) atentar-se ao valor apontado na inscrição/boleto antes do efetivo pagamento.

3.4.São de exclusiva responsabilidade do candidato, sob as penas da lei, as informações prestadas no preenchimento do Banco de Dados e na ficha de inscrição on-line, ainda que realizada com o auxílio de terceiros, que serão verificadas por ocasião da comprovação de requisitos mínimos exigidos, cabendo à Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela e ao Instituto Nosso Rumo o direito de excluir do Processo Seletivo aquele que preenchê- la com dados incorretos, bem como aquele que prestar informações inverídicas, ainda que o fato seja constatado posteriormente.

3.5.O candidato que deseja efetivar sua inscrição deverá efetuar o pagamento do valor de inscrição a título de ressarcimento de despesas com material e serviços, de acordo com os valores definidos, por cargo, constantes na Tabela I do Capítulo 1 deste Edital, através de boleto bancário, pagável em toda a rede bancária, com vencimento para a data mencionada no Anexo IV, primeiro dia útil subsequente à data de encerramento do período de inscrição.

3.6.Objetivando evitar ônus desnecessários, o candidato deverá recolher o valor de inscrição somente se atender a todos os requisitos exigidos para o cargo pretendido;

3.6.1O boleto bancário estará disponível no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br até a data de vencimento, e deverá ser impresso para o pagamento do valor de inscrição após a conclusão do preenchimento da ficha de solicitação de inscrição on-line.

3.6.2.O Instituto Nosso Rumo e a PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE ILHABELA não se responsabilizam por boletos bancários que não correspondam aos documentos emitidos no ato da inscrição ou que tenham sido alterados/adulterados em função de problemas no computador local, falhas de comunicação, fraudes causadas por vírus e afins;

3.6.3.Após o período mencionado no item 3.5., não haverá possibilidade de impressão do boleto, seja qual for o motivo alegado.

3.7.A confirmação da inscrição dar-se-á mediante o correto preenchimento da ficha de inscrição e o pagamento do respectivo valor, dentro do período de vencimento do boleto.

3.7.1. Não haverá devolução, parcial ou integral, da importância paga, seja qual for o motivo alegado;

3.7.2Não serão aceitas inscrições recebidas por depósito em caixa eletrônico, via postal, fac-símile, transferência ou depósito em conta corrente, DOC, ordem de pagamento, condicionais e/ou extemporâneas ou por qualquer outra via que não a especificada neste Edital, bem como fora do período de inscrição estabelecido;

3.7.3.Não será aceito, como comprovante de pagamento da inscrição, comprovante de agendamento bancário;

3.7.4.O comprovante de inscrição é o boleto bancário devidamente quitado juntamente com o comprovante de pagamento e deverá ser mantido em poder do candidato e apresentado no local de realização da Prova Objetiva. É de inteira responsabilidade do candidato a manutenção sob sua guarda, para posterior apresentação, se necessário;

3.7.5.O Instituto Nosso Rumo e a Prefeitura Municipal da Estância Balneária de

Ilhabela não se responsabilizam por solicitação de inscrição via Internet não recebida por motivos de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados.

3.8.O candidato deverá efetuar uma única inscrição em cada período no Processo Seletivo.

3.8.1.Em caso de mais de uma inscrição no mesmo período, o candidato deverá efetuar o pagamento de apenas um boleto bancário;

3.8.2.Tendo o candidato efetuado o pagamento de mais de um boleto bancário do sendo para o mesmo cargo, será considerada a inscrição mais recente, ou seja, será considerada válida e efetivada apenas a última inscrição gerada no site e paga pelo candidato;

3.8.3.Para efeito de validação da inscrição, de que trata o item anterior, considerar-se- á a data (do documento) e o número do boleto de pagamento;

3.8.4.Ocorrendo a hipótese do item 3.8.2 ou pagamento duplicado de um mesmo boleto bancário, não haverá restituição parcial ou integral dos valores pagos a título de valor de inscrição;

3.8.5.A devolução do valor de inscrição somente ocorrerá se o Processo Seletivo não se realizar, caso em que a referida devolução ficará sob responsabilidade do Instituto

Nosso Rumo.

3.9.A partir da data mencionada no Anexo IV, o candidato deverá conferir no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br se a inscrição foi deferida, ou seja, se os dados da inscrição, efetuada via Internet, foram recebidos e se o valor da inscrição foi pago.

3.9.1.Para conferir se a inscrição foi deferida, o candidato deverá acessar o site www.nossorumo.org.br e clicar em “Área do Candidato”, no canto superior direito do site. Na sequência, deve-se digitar o CPF e a senha de acesso à área do candidato e clicar em “Entrar”. Na aba “Meus Concursos”, clica-se no link do certame desejado. Ao abrir a tela de informações do Processo Seletivo, deve-se selecionar a opçã0o “Situação das Inscrições e 2º via de boleto” e clicar em “Visualizar Inscrição” para verificar o status da inscrição.

3.10.Caso a inscrição do candidato esteja indeferida, este poderá interpor recurso no período mencionado no Anexo IV, nos termos do Capítulo 12. DOS RECURSOS.

3.10.1.Para acessar o link de recurso contra o indeferimento da inscrição, conforme disposto no item 3.10, o candidato deverá acessar o site www.nossorumo.org.br, clicar na aba “Área do Candidato” e digitar seu CPF e sua senha de acesso. Em seguida, na aba “Meus Concursos”, deve selecionar o certame desejado e, em seguida, clicar no link “Recursos”, quando então deverá seguir as instruções do site;

3.10.2.Dúvidas em relação ao processo de inscrição poderão ser direcionadas pelo link

“Dúvidas frequentes/Contatos” na página do Instituto Nosso Rumo, ou pelo telefone (011) 3664-7878, em dias úteis, no horário das 8h30 às 17h30.

3.11.O candidato que necessitar de condições especiais para realização das provas deverá, no ato da inscrição, solicitar a condição na ficha de inscrição. Para todas as condições, exceto amamentação, o candidato deverá encaminhar, via online, durante o período de inscrição, Laudo Médico com validade de 12 meses contados do último dia da inscrição.

3.11.1.O acesso ao link para envio dos documentos relativos aos laudos somente estará disponível durante o período de inscrição;

3.11.2.Ao confirmar o envio dos documentos e gerar o protocolo de envio, o candidato NÃO poderá alterar ou substituir os documentos enviados;

3.11.3.Serão avaliados somente os documentos enviados com resolução legível;

3.11.4.A entrega dos documentos relativos aos laudos não é obrigatória. O candidato que não entregar a documentação não será eliminado do Processo Seletivo Público Simplificado;

3.11.5.O candidato que não encaminhar durante o período de inscrição não terá a prova especial e as condições especiais providenciadas, seja qual for o motivo alegado;

3.11.6.O atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise de viabilidade e razoabilidade do pedido;

3.11.7.A candidata que tiver a necessidade de amamentar durante a realização das provas deverá levar um acompanhante, que também se submeterá às regras deste Edital e Anexos e ficará em sala reservada para essa finalidade, sendo responsável pela guarda da criança. A candidata nesta condição que não levar acompanhante não realizará as provas.

3.11.7.1.Deverá encaminhar via site no botão “envio de laudos” Certidão de

Nascimento da Criança. A mãe poderá proceder com a amamentação a cada intervalo de 2 (duas) horas por até 30 (trinta) minutos, por filho de até 6 (seis) meses.

3.11.7.2.Durante a amamentação a candidata será acompanhada por um fiscal.

3.11.7.3.O tempo despendido na amamentação será compensado durante a realização da prova, em igual período.

3.11.7.4.Caso a candidata ultrapasse o tempo estipulado de 30 (trinta) minutos será compensado somente o tempo de 30 (trinta) minutos.

3.11.7.5.Caso a criança seja maior que 6 (seis) meses de idade a mãe poderá amamentar, porém o tempo despendido para amamentação não será compensado.

3.11.7.6.A candidata que amamentar em espaços curtos e não a cada 2 (duas) horas, não será compensado.

3.11.7.7.A criança deverá permanecer em local designado, acompanhada de familiar ou terceiro, adulto responsável, indicado pela candidata;

3.11.7.8.Nos horários previstos para amamentação, a candidata lactante poderá ausentar-se temporariamente da sala de prova, acompanhada de uma fiscal;

3.11.7.9.Na sala reservada para amamentação, ficarão somente a candidata lactante, a criança e uma fiscal, sendo vedada a permanência de babás ou quaisquer outras pessoas que tenham grau de parentesco ou de amizade com a candidata;

3.11.7.10.Não serão fornecidos utensílios para utilização durante amamentação ou para uso da criança.

3.11.8.O candidato que solicitar condição especial para a realização das provas deverá, durante o período mencionado no Anexo IV deste Edital, acessar o site www.nossorumo.org.br para verificar o resultado da solicitação pleiteada.

3.11.8.1.Para acessar as informações, conforme disposto no item 3.11.8, o candidato deverá acessar o site www.nossorumo.org.br, clicar na aba “Área do Candidato”, e digitar seu CPF e sua senha de acesso. Em seguida, na aba “Meus Concursos”, selecionará o certame desejado e, na sequência, clicará no link “Confirmação da Inscrição”, quando então deverá seguir as instruções do site.

3.11.9.O candidato que desejar interpor recurso contra o indeferimento da solicitação de condição especial deverá acessar o link próprio da página do Processo Seletivo para interposição de recursos, no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, no período mencionado no Anexo IV deste Edital, e seguir as instruções ali contidas.

3.11.9.1.Para acessar o link de recurso contra o indeferimento da solicitação de condição especial, conforme disposto no item 3.11.9, o candidato deverá acessar o site www.nossorumo.org.br, clicar na aba “Área do Candidato”, e digitar seu CPF e sua senha de acesso. Em seguida, na aba “Meus Concursos”, deverá selecionar o certame desejado e, na sequência, clicar no link “Recursos”, quando então deverá seguir as instruções do site.

3.12.A apresentação dos documentos e das condições exigidas para participação no referido Processo Seletivo será feita por ocasião da convocação para nomeação, sendo que a não apresentação implicará a anulação de todos os atos praticados pelo candidato.

3.13.A inscrição do candidato implicará o completo conhecimento e a tácita aceitação das normas legais pertinentes e condições estabelecidas neste Edital e seus Anexos, e as condições previstas em Lei, sobre as quais não poderá alegar desconhecimento.

4. DA INSCRIÇÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

4.1.Às pessoas com deficiência é assegurado o direito de se inscrever neste Processo Seletivo, desde que as atribuições do cargo pretendido sejam compatíveis com a deficiência, conforme estabelecido no Decreto Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, alterado pelo Decreto Federal nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004.

4.2.Em obediência ao disposto no Artigo 37 – § 1º, do Decreto Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, aos candidatos com deficiência habilitados será reservado o percentual de 5% (cinco por cento) das vagas existentes ou que vierem a surgir no prazo de validade do Processo Seletivo, desde que essa percentagem resulte em número inteiro.

4.3.Consideram-se pessoas com deficiência aquelas que se enquadram nas categorias discriminadas no Artigo 4º, do Decreto Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, alterado pelo Decreto Federal nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004.

4.4.Ao ser convocado, o candidato deverá submeter-se a Perícia Médica indicada pela Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, que confirmará de modo definitivo o enquadramento de sua situação como pessoa com deficiência e a compatibilidade com o cargo pretendido.

4.4.1.Será eliminado da lista de deficientes o candidato cuja deficiência, assinalada na ficha de inscrição, não se constate, devendo este constar apenas na lista de classificação geral de aprovados;

4.4.2.Será eliminado do Processo Seletivo o candidato cuja deficiência assinalada na ficha de inscrição seja incompatível com o cargo pretendido.

4.5.A análise dos aspectos relativos ao potencial de trabalho do candidato com deficiência obedecerá ao disposto no Decreto Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, arts. 43 e 44, conforme especificado a seguir:

4.5.1.A avaliação do potencial de trabalho do candidato com deficiência, frente às rotinas do cargo, será realizada pela Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, por meio de perícia médica admissional;

4.5.2.O médico responsável pela avaliação emitirá parecer observando:

a)as informações prestadas pelo candidato no ato da inscrição;

b)a natureza das atribuições e tarefas essenciais do cargo a desempenhar;

c)a viabilidade das condições de acessibilidade e as adequações do ambiente de trabalho na execução das tarefas;

d)a possibilidade de uso, pelo candidato, de equipamentos ou outros meios que habitualmente utilize;

e)o CID e outros padrões reconhecidos nacional e internacionalmente.

4.5.3.Não serão considerados como deficiência os distúrbios de acuidade visual passíveis de correção simples do tipo miopia, astigmatismo, estrabismo e congêneres;

4.5.4.O médico responsável avaliará a compatibilidade entre as atribuições do cargo e a deficiência do candidato durante o período de experiência, cuja realização se dará durante o período de vigência do contrato de experiência.

4.6.As pessoas com deficiência participarão deste Processo Seletivo em igualdade de condições com os demais candidatos, no que se refere ao conteúdo das provas, à avaliação e aos critérios de aprovação, ao horário e local de aplicação das provas e à nota mínima exigida para todos os candidatos.

4.7.No ato da inscrição, o candidato com deficiência que necessite de tratamento diferenciado nos dias das provas objetiva e oral, deverá requerê-lo, indicando as condições diferenciadas de que necessita para a realização das provas (prova em Braille ou ampliada).

4.8.O candidato inscrito como pessoa com deficiência deverá especificar na Ficha de Inscrição a sua deficiência.

4.9.O acesso ao link para envio dos documentos relativos laudos somente estará disponível durante o período de inscrição.

4.10.Ao confirmar o envio dos documentos e gerar o protocolo de envio, o candidato NÃO poderá alterar ou substituir os documentos enviados.

4.11.Serão avaliados somente os documentos enviados com resolução legível.

4.12.Os documentos deverão ser enviados através do site www.nossorumo.org.br, o acesso deverá ser por meio do número do CPF e da senha do candidato cadastrados no site do Instituto Nosso Rumo. Após efetuar o login, o candidato deverá clicar na aba “Envio de Laudos”.

4.12.1.Laudo Médico, atualizado há menos de 1 (um) ano da data da inscrição, atestando a espécie e o grau ou nível de deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doença – CID, bem como a provável causa da deficiência, inclusive para assegurar previsão de adaptação da sua prova;

a)o candidato com deficiência visual, além do envio da documentação indicada no item 4.9.1, deverá solicitar, por escrito, até o término das inscrições, a confecção de prova especial em Braille ou Ampliada, ou ainda a necessidade da leitura de sua prova, especificando o tipo de deficiência;

b)o candidato com deficiência que necessitar de tempo adicional para a realização das provas, além do envio da documentação indicada nesse item, deverá encaminhar, até o término das inscrições, laudo médico com justificativa para o tempo adicional, emitido por especialista da área de sua deficiência.

4.12.2.Aos deficientes visuais (amblíopes) que solicitarem prova especial ampliada serão oferecidas provas neste sistema, com tamanho de letra correspondente a corpo 24;

4.12.3.O atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise de viabilidade e razoabilidade do pedido.

4.13.O candidato que não atender, dentro do prazo do período das inscrições, aos dispositivos mencionados no item 4.12. e seus subitens não terá a condição especial atendida ou será considerado não deficiente, seja qual for o motivo alegado.

4.14.O Instituto Nosso Rumo divulgará no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, na data mencionada no Anexo IV, na área restrita do candidato, mediante acesso com CPF e senha, a confirmação das inscrições, incluindo o enquadramento de candidato deficiente para concorrência à reserva de vagas pertinente ao Decreto Federal nº 3.298/99.

4.14.1.O candidato que tiver sua inscrição na reserva para deficientes indeferida poderá interpor recurso no período mencionado no Anexo IV, através do site do Instituto Nosso Rumo (www.nossorumo.org.br);

4.14.2.Ao término da apreciação dos recursos contra o indeferimento de inscrição na reserva para deficientes, o Instituto Nosso Rumo divulgará o resultado no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, na data mencionada no Anexo IV, na área restrita do candidato, mediante acesso com CPF e senha.

4.15.Os candidatos que no ato da inscrição se declararem deficientes, se aprovados no Processo Seletivo, terão seus nomes divulgados na lista geral dos aprovados e em lista à parte.

4.16.O candidato deficiente que não realizar a inscrição, conforme as instruções constantes deste capítulo, não poderá interpor recurso em favor de sua situação.

4.17.A ordem de convocação dos candidatos com deficiência, relativa ao cargo para o qual concorreu, dar-se-á da seguinte forma: a 1ª vaga com deficiência será a 5ª vaga, a 2ª vaga será a 21ª vaga, a 3ª vaga será a 41ª vaga, a 4ª vaga será a 61ª e assim sucessivamente, para futuras vagas reservadas às pessoas com deficiência e providas durante o prazo de validade do Processo Seletivo.

4.18.Será eliminado da lista de deficientes o candidato cuja deficiência assinalada na ficha de inscrição não se constate, devendo este constar apenas na lista de classificação geral de aprovados.

5. DA SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DO VALOR DE INSCRIÇÃO

5.1.O candidato amparado pela Lei Municipal nº. 80/2001, de 27/12/2001, que for desempregado e morador do município há mais de 02 (dois) anos, estará isento do valor de inscrição deste Processo Seletivo, desde que comprove os requisitos previstos neste capítulo da seguinte forma:

5.1.1.A comprovação da condição de desempregado será feita através da apresentação da cópia de sua Carteira Profissional, da seguinte forma:

a) Cópia da página onde consta a foto do titular da CTPS;

b) Cópia da página onde consta os dados do titular da CTPS;

c)Cópia da página onde consta o último registro com a data do desligamento;

d)Cópia da página subsequente ao último registro, em branco;

e)Cópia de comprovante de residência recente (conta de luz, água, telefone fixo ou contrato de locação) em nome do candidato.

e.1) Na hipótese do candidato morar com responsável legal ou parente, o comprovante de residência deverá vir acompanhado de declaração informando o grau de parentesco entre o candidato e o nome que consta no comprovante de residência juntamente com a indicação de 3 (três) testemunhas (nome, RG, CPF e assinatura das testemunhas).

5.2.O candidato que preencher as condições estabelecidas no item acima, deverá solicitar a isenção do pagamento do valor de inscrição obedecendo aos seguintes procedimentos:

5.2.1.Acessar, no período mencionado no Anexo IV, o site do Instituto Nosso Rumo – www.nossorumo.org.br –, clicar em “todos os processos”, posteriormente clicar em “inscrições abertas” selecionar o certame do seu interesse e clicar em “inscreva-se já”, digite o número do CPF, caso tenha cadastro irá abrir a página para confirmação dos dados pessoais, caso não tenha cadastro irá abrir a página para preencher o cadastro. Na tela de cadastro ou confirmação dos dados pessoais terá opção de selecionar o certame e os cargos, após selecionar terá o campo de solicitar isenção, caso queira solicitar isenção clicar em sim e dar sequência na tela.

5.2.2.Encaminhar os documentos descritos no item 5.1 e alíneas, no período mencionado no Anexo IV, no endereço de e-mail isencao@nossorumo.org.br

5.3.O candidato que não encaminhar a documentação no período mencionado no Anexo IV não terá seu documento avaliado e consequentemente terá a sua solicitação de isenção indeferida.

5.4.A comprovação da tempestividade da solicitação de isenção será feita pela data da postagem.

5.5.Deverá ser realizada uma inscrição com solicitação de isenção do valor para cada cargo de interesse, sendo possível apenas solicitação de isenção para um cargo.

5.5.1Caso o candidato realize inscrição com solicitação de isenção para mais de um cargo, para efeito de validação, será admitida a última solicitação.

5.6.A documentação comprobatória enviada pelo candidato será analisada pelo Instituto Nosso Rumo que decidirá sobre a isenção do valor de inscrição, considerando o estabelecido neste capítulo.

5.7.Não será concedida isenção de pagamento do valor de inscrição ao candidato que:

a)deixar de efetuar a solicitação pela Internet no ato da inscrição;

b)omitir informações e/ou torná-las inverídicas.

5.8.A declaração falsa de dados para fins de isenção do pagamento do valor de inscrição determinará o cancelamento da inscrição e a anulação de todos os atos dela decorrentes, bem como exclusão do candidato do certame em qualquer época, sem prejuízo das medidas administrativas e judiciais cabíveis.

5.10.Na data mencionada no Anexo IV, o candidato deverá verificar o resultado da análise das solicitações de isenção no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br.

5.10.1.No caso de indeferimento de solicitação de isenção, o candidato poderá interpor recurso no período mencionado no Anexo IV, no site no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br.

5.10.2.A partir da data mencionada no Anexo IV, o candidato poderá consultar a situação sobre a análise dos recursos interpostos contra o indeferimento da solicitação da isenção do valor de inscrição e proceder de acordo com as instruções ali mantidas, no site do Instituto Nosso Rumo www.nossorumo.org.br, no link próprio do Processo Seletivo.

5.11.Os candidatos que tiverem seus pedidos de isenção indeferidos, para efetivar a sua inscrição no Processo Seletivo, deverão acessar o endereço eletrônico www.nossorumo.org.br e imprimir o respectivo boleto bancário para pagamento do valor de inscrição, cujo vencimento ocorrerá na data mencionada no Anexo IV, conforme procedimento descrito neste edital.

5.12.O candidato que tiver seu pedido de isenção deferido estará automaticamente inscrito no certame.

5.13.O candidato que não tiver seu pedido de isenção deferido e que não efetuar o pagamento do valor de inscrição na forma e no prazo estabelecidos no item 5.11., estará automaticamente excluído do Processo Seletivo.

5.14.Os documentos indicados no item 5.1.1. e seus subitens deste Edital terão validade somente para este Processo Seletivo e não serão devolvidos em hipótese alguma.

5.15.Caso queiram participar do Processo Seletivo, os candidatos que tiveram o pedido de isenção do pagamento do valor da inscrição indeferido após análises de recursos, deverão gerar boleto bancário com o valor integral da inscrição no endereço eletrônico do Instituto Nosso Rumo (www.nossorumo.org.br) e efetuar o seu pagamento. O boleto bancário poderá ser impresso e quitado até a data mencionada no Anexo IV, sendo a data limite para o pagamento da inscrição.

5.16.O Instituto Nosso Rumo não se responsabilizará por solicitação de inscrição com pedido de isenção não recebida por motivos de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores que impossibilitem a transferência de dados.

6. DAS PROVAS

6.1. O Processo Seletivo constará das seguintes etapas:

TABELA DE ETAPAS DO PROCESSO SELETIVO

Nível Superior

 

Cargo

Tipo de Prova

 

Conteúdo/ Disciplinas

Nº de Itens

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação Básica – (Educação Infantil e Ensino

 

 

 

 

 

 

Fundamental de 1º ao 5º – para ministrar aulas nas Comunidades

 

 

 

 

 

 

Tradicionais em classes multisseriadas).

 

 

Língua Portuguesa

10

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação Básica – Educação Infantil (de 1 a 5 anos

 

 

 

 

 

 

de idade).

 

 

Matemática

5

 

 

 

Objetiva

 

 

 

 

 

Professor de Educação Básica – Ensino Fundamental (de 1º ao

 

 

Legislação Específica

5

 

 

5º ano).

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação Básica - (Educação Infantil e Ensino

 

 

Conhecimentos Específicos

15

 

 

 

 

 

 

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano - Educação Inclusiva

 

 

 

 

 

 

Intelectual/Mental)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor de Educação Básica - (Educação Infantil e Ensino

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano - Educação Inclusiva

 

 

Audiocomunicação)

 

 

 

Professor de Educação Básica - (Educação Infantil e Ensino

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano Acompanhamento Pedagógico)

Títulos

Conforme Capítulo 10

 

 

Professor de Educação Básica - (Educação Infantil e Ensino

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano Arte e Cultura)

 

 

Professor de Educação Básica - (Educação Infantil e Ensino

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano Jogos Pedagógicos)

 

 

Professor de Educação Básica - (Educação Infantil e Ensino

 

 

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano Hábitos e Atitudes)

 

 

Professor de Arte – (Educação Infantil e Ensino Fundamental de

 

 

1º ao 9º ano e Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de Ciências Físicas e Biológicas - (Ensino

 

 

Fundamental 6º ao 9º ano e Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de Educação Física – (Educação Infantil, e Ensino

 

 

Fundamental de 1º ao 9º ano e Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de Geografia – (Ensino Fundamental 6º ao 9º ano e

 

 

Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de História – (Ensino Fundamental 6º ao 9º ano e

Dissertativa

Conforme Capítulo 9

Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de Língua Inglesa – (Educação Infantil, Ensino

 

 

Fundamental de

1º ao 9º ano e Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de Matemática – (Ensino Fundamental 6º ao 9º ano e

 

 

Suplência de 5ª a 8ª série).

 

 

Professor de Língua Portuguesa – (Ensino Fundamental 6º ao

 

 

9º ano e suplência de 5ª a 8ª série.

 

 

Professor de Educação Básica – (Ensino Fundamental de 1º ao

 

 

9º ano – para ministrar aulas nas Comunidades Tradicionais em

 

 

classes multisseriadas)

 

 

 

 

 

 

6.2.As Provas Objetivas constarão de questões objetivas de múltipla escolha, com cinco alternativas cada, terão uma única resposta correta e versarão sobre os programas contidos no ANEXO II deste Edital.

6.3.As Provas Objetivas serão aplicadas em período a ser divulgado no Edital de Convocação.

7. DA PRESTAÇÃO DAS PROVAS OBJETIVAS E DISSERTATIVAS

7.1.As provas objetivas e dissertativas serão realizadas na cidade de Ilhabela, na data mencionada no Anexo IV, em locais e horários a serem comunicados oportunamente no Edital de Convocação para as Provas Objetivas, o qual será publicado no Jornal Diário do Litoral Norte e da Internet no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, conforme o horário oficial de Brasília/DF.

7.1.1.Caso o número de candidatos inscritos exceda a oferta de lugares existentes nos colégios da cidade mencionada no item 7.1., o Instituto Nosso Rumo reserva-se o direito de alocá-los em cidades próximas às determinadas para aplicação das provas, não assumindo, entretanto, qualquer responsabilidade quanto ao transporte e alojamento desses candidatos;

7.1.1.1.Caso ocorra o disposto no subitem 7.1.1. (e somente neste caso), os candidatos poderão ser alocados considerando-se, como critério, o endereço residencial informado no ato de cadastro no site/inscrição no certame, bem como observadas a viabilidade e conveniência do Instituto Nosso Rumo. Portanto, o candidato deve informar seus dados com precisão, sendo que o Instituto Nosso Rumo não se responsabilizará por endereços incorretos ou inverídicos registrados pelos candidatos no ato da inscrição.

7.1.2.Não será permitida, em hipótese alguma, a realização das provas em outro dia, horário ou local que não sejam os designados, conforme as informações constantes no item 7.1. e seus subitens deste capítulo;

7.1.3.O candidato não poderá alegar desconhecimento dos locais de realização das provas como justificativa de sua ausência. O não comparecimento às provas, qualquer que seja o motivo, será considerado como desistência do candidato e resultará na eliminação do Processo Seletivo;

7.1.4.Será disponibilizado Cartão Informativo na área restrita do candidato no site. O candidato deverá, a partir da data mencionada no Anexo IV, informar-se, no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, em que local e horário irá realizar a prova. Será de responsabilidade do candidato o acompanhamento e consulta para verificar o seu local de prova;

7.1.5.Não serão fornecidas, por telefone, informações a respeito de datas, locais e horários de realização das provas. Em caso de dúvida, o candidato deverá entrar em contato por meio da ferramenta “Entre em Contato/Dúvidas frequentes”, disponível na página inicial do site www.nossorumo.org.br.

7.2.Na data mencionada no Anexo IV, será disponibilizado um link de correção cadastral durante 2 (dois) dias, no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, devendo o candidato acessar, mediante CPF e senha, realizando a correção necessária em seus dados cadastrais, conforme segue:

a)O candidato deverá acessar o endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, efetuar o login na “Área do Candidato”, digitando o CPF e a senha, e selecionar o certame desejado;

b)Em seguida, o candidato deverá selecionar a opção “Inscrição e Correção Cadastral” e seguir as instruções do site para efetivar a correção desejada.

7.2.1.O candidato que não solicitar as correções dos dados pessoais nos termos do item anterior deverá arcar, exclusivamente, com as consequências advindas de sua omissão;

7.2.2.Não serão aceitas solicitações de alterações/correções de dados por mensagem eletrônica ou por qualquer outro meio não previsto no item 7.2 e suas alíneas deste Edital.

7.3.Caso haja inexatidão na informação relativa à opção de cargo e/ou condição de pessoa com deficiência, o candidato deverá entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Candidato – SAC, do Instituto Nosso Rumo, pelo telefone (11) 3664-7878, das 8h30 às

17h30 ou através de chamado via site na aba “Dúvidas frequentes/contato” com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas da data de aplicação das Provas Objetivas.

7.3.1.Não será admitida a troca de opção de cargo em hipótese alguma;

7.3.2.A alteração da condição de candidato inscrito como pessoa com deficiência somente será efetuada na hipótese de que o dado expresso pelo candidato, em sua ficha de inscrição, tenha sido transcrito erroneamente nas listas disponíveis para consulta e disponibilizado no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, desde que o candidato tenha cumprido todas as normas e exigências constantes no Capítulo 3 deste Edital;

7.3.3.O candidato que não entrar em contato com o SAC, no prazo mencionado no item 7.3 deste capítulo, será o único responsável pelas consequências ocasionadas por sua omissão.

7.4.O candidato deverá comparecer ao local designado para a prova com antecedência mínima de 60 minutos, munido de:

a)Comprovante de inscrição;

b)Original de um dos documentos de identidade a seguir: Cédula Oficial de Identidade; Carteira e/ou cédula de identidade expedida pela Secretaria de Segurança, pelas Forças Armadas, pela Polícia Militar, pelo Ministério das Relações Exteriores; Carteira de Trabalho e Previdência Social; Certificado de Reservista; Passaporte; Cédulas de Identidade fornecidas por Órgãos ou Conselhos de Classe, que, por lei federal, valem como documento de identidade (OAB, CRC, CRA, CRQ etc.) e Carteira Nacional de Habilitação (com fotografia na forma da Lei nº 9.503/97);

c)Caneta esferográfica de tinta preta ou azul, fabricada em material transparente, lápis e borracha. Caso o(a) candidato(a) compareça com caneta de material não transparente, terá seu material vistoriado pelos fiscais de aplicação.

7.4.1.Os documentos apresentados deverão estar em perfeitas condições, de forma a permitir a identificação do candidato com clareza;

7.4.2.O comprovante de inscrição não terá validade como documento de identidade;

7.4.3.Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização das provas, documento de identidade original, por motivo de perda, roubo ou furto, deverá ser apresentado documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo, 30 (trinta) dias, ocasião em que será submetido à identificação especial, compreendendo coleta de assinaturas e de impressão digital em formulário próprio;

7.4.3.1.A identificação especial também será exigida do candidato cujo documento de identificação apresente dúvidas relativas à fisionomia e/ou à assinatura do portador.

7.4.4.Não serão aceitos como documentos de identidade: certidões de nascimento, títulos eleitorais, carteiras de motorista (modelo antigo), carteiras de estudante, carteiras funcionais sem valor de identidade, nem documentos ilegíveis, não identificáveis e/ou danificados;

7.4.5.Não serão aceitas cópias de documentos de identidade, ainda que autenticadas.

7.5.Não haverá segunda chamada, seja qual for o motivo alegado para justificar o atraso ou a ausência do candidato.

7.6.No dia da realização das provas, na hipótese de o candidato não constar nas listagens oficiais relativas aos locais de prova estabelecidos no Edital de Convocação, o Instituto Nosso Rumo procederá à inclusão do referido candidato, através de preenchimento de formulário específico mediante a apresentação do boleto devidamente pago.

7.6.1.A inclusão de que trata o item 7.6. será realizada de forma condicional, não gera expectativa de direito sobre a participação no Processo Seletivo e será analisada pelo Instituto Nosso Rumo na fase de Julgamento das Provas Objetivas, com o intuito de se verificar a pertinência da referida inclusão;

7.6.2.Constatada a improcedência da inscrição de que trata o item 7.6., esta será automaticamente cancelada sem direito a reclamação, independentemente de qualquer formalidade, considerados nulos todos os atos dela decorrentes;

7.6.3.No dia da realização das provas, não será permitido ao candidato:

7.6.3.1.Entrar ou permanecer no local de exame portando arma(s), mesmo que possua o respectivo porte;

7.6.3.2.Durante a realização da prova não será permitido o acesso a equipamentos eletrônicos (agenda eletrônica, bip, gravador, notebook, pager, palmtop, receptor, relógios digitais, relógios com banco de dados, telefone celular, walkman etc.) ou semelhantes, boné, gorro, chapéu, óculos de sol, bem como protetores auriculares;

7.6.3.3.Portar ou utilizar lapiseira, corretivos líquidos, régua ou qualquer outro objeto diferente do especificado na alínea “c” do item 7.4. deste Edital;

7.6.3.4.Na ocorrência do funcionamento de qualquer tipo de equipamento eletrônico durante a realização das Provas Objetivas, o candidato será automaticamente eliminado do Processo Seletivo;

7.6.3.5.Durante o período de aplicação das provas, os candidatos poderão ser submetidos à revista através de detectores de metais.

7.6.3.6.O Instituto Nosso Rumo poderá registrar durante a aplicação das provas, via aparelho celular - através de aplicativo de sua propriedade e utilizado exclusivamente para este fim, fotografia da face e da frente e verso do documento de identificação do candidato, bem como do código de barras da folha de resposta para fins de confirmação digital da identificação do candidato. Caso o recurso seja adotado, as imagens obtidas ficarão sob guarda e responsabilidade integral do Instituto Nosso Rumo e somente poderão ser utilizadas para fins de confirmação da identidade do candidato aprovado no ato da nomeação pelo ente contratante. O candidato que se negar ao procedimento será eliminado do certame posto que não será possível realizar a confirmação de sua identidade nos moldes ora expostos.

7.6.4.O descumprimento dos itens 8.6.3.1., 8.6.3.2., 8.6.3.3. e 8.6.3.4 ou caso negue- se a submeter-se à revista prevista no item 8.6.3.5., a resistência a deixar-se revistar pelo detector de metais ou ser flagrado portando/utilizando equipamentos eletrônicos, ou o impedimento da realização do procedimento descrito no item 8.6.3.6., implicará a eliminação do candidato, caracterizando-se tentativa de fraude.

7.6.5.O Instituto Nosso Rumo não se responsabilizará por perdas ou extravios de objetos ou de equipamentos eletrônicos ocorridos durante a realização das provas;

7.6.6.Durante a realização das provas, não será permitida nenhuma espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, nem a utilização de livros, códigos, manuais, impressos ou quaisquer anotações.

7.7.Quanto às Provas Objetivas:

7.7.1.Para a realização das Provas Objetivas, o candidato lerá as questões no Caderno de Questões e marcará suas respostas na Folha de Respostas, com caneta esferográfica fabricada em corpo transparente de tinta azul ou preta. A Folha de Respostas é o único documento válido para correção.

7.7.1.1.Não serão computadas questões não respondidas, nem questões que contenham mais de uma resposta (mesmo que uma delas esteja correta), emendas ou rasuras, ainda que legíveis;

7.7.1.2.Não deverá ser feita nenhuma marca fora do campo reservado às respostas ou à assinatura, pois qualquer marca poderá ser lida pelas leitoras óticas, prejudicando o desempenho do candidato.

7.8.A totalidade das Provas terá a duração de 3 (três) horas e 30 (trinta) minutos.

7.8.1.Após o período de 2h00 (duas horas), o candidato, ao terminar a sua prova, deverá devolver ao fiscal de sala o Caderno de Questões e a Folha de Respostas, que será o único documento válido para correção.

7.8.2.Iniciadas as provas, nenhum candidato poderá retirar-se da sala antes de decorridas 2h00 (duas horas).

7.8.3.Os Cadernos de Questões serão disponibilizados no site do Instituto Nosso Rumo exclusivamente durante o período de recurso contra o gabarito provisório.

7.9.As Folhas de Respostas dos candidatos serão personalizadas, impossibilitando a substituição.

7.9.1.O candidato deverá transcrever para a sua Folha de Respostas a frase apresentada na capa de sua Prova, para posterior verificação grafológica;

7.10.Será automaticamente excluído do Processo Seletivo o candidato que:

7.10.1.Apresentar-se após o fechamento dos portões ou fora dos locais pré- determinados;

7.10.2.Não apresentar o documento de identidade exigido no item 8.4., alínea “b”, deste capítulo;

7.10.3.Não comparecer a qualquer das provas, seja qual for o motivo alegado;

7.10.4.Ausentar-se da sala de provas sem o acompanhamento do fiscal ou antes do tempo mínimo de permanência estabelecido no item 8.8.1 deste capítulo;

7.10.5.For surpreendido em comunicação com outro candidato ou terceiros, verbalmente, por escrito ou por qualquer outro meio de comunicação, sobre a prova que estiver sendo realizada, ou utilizando-se de livros, notas, impressos não permitidos, calculadora ou similar;

7.10.6.For surpreendido portando agenda eletrônica, bip, gravador, notebook, pager, palmtop, receptor, relógios digitais, relógios com banco de dados, telefone celular, walkman e/ou equipamentos semelhantes, boné, gorro, chapéu, óculos de sol, bem como protetores auriculares;

7.10.7.Lançar mão de meios ilícitos para executar as provas;

7.10.8.Não devolver a Folha de Respostas e o Caderno de Questões cedidos para realização das provas;

7.10.9.Perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos ou agir com descortesia em relação a qualquer um dos examinadores, executores e seus auxiliares, ou autoridades presentes;

7.10.10.Fizer anotação de informações relativas às suas respostas fora dos meios permitidos;

7.10.11.Ausentar-se da sala de provas, a qualquer tempo, portando as Folhas de Respostas;

7.10.12.Não cumprir as instruções contidas no Caderno de Questões e nas Folhas de Respostas;

7.10.13.Utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos ou ilegais para obter aprovação própria ou de terceiros, em qualquer etapa do Processo Seletivo.

7.11.Constatado, após as provas, por meio eletrônico, estatístico, visual, grafológico ou por investigação policial, ter o candidato utilizado processos ilícitos, suas provas serão anuladas e ele será automaticamente eliminado do Processo Seletivo.

7.11.1.Excetuada a situação prevista no item 3.11.4 do Capítulo 3 deste Edital, não será permitida a permanência de qualquer acompanhante nas dependências do local de realização da prova, podendo ocasionar, inclusive, a não participação do candidato no Processo Seletivo.

7.12.A condição de saúde do candidato no dia da aplicação da prova será de sua exclusiva responsabilidade.

7.13.Ocorrendo alguma situação de emergência, o candidato será encaminhado para atendimento médico local ou a profissional de sua confiança. A equipe de Coordenadores responsável pela aplicação das provas dará todo apoio que for necessário.

7.14.Caso exista a necessidade de o(a) candidato(a) se ausentar para atendimento médico ou hospitalar, este não poderá retornar ao local de sua prova, sendo eliminado do Processo Seletivo.

7.15.Reserva-se ao Coordenador do Processo Seletivo, designado pelo Instituto Nosso Rumo, o direito de excluir da sala e eliminar do restante das provas o candidato cujo comportamento for considerado inadequado, bem como tomar medidas saneadoras e restabelecer outros critérios para resguardar a execução individual e correta das provas.

7.16.No dia da realização das provas, não serão fornecidas, por qualquer membro da equipe de aplicação das provas e/ou pelas autoridades presentes, informações referentes ao conteúdo das provas e/ou critérios de avaliação/classificação.

7.17.Os gabaritos da prova objetiva serão divulgados no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, na data mencionada no anexo IV.

7.18.O candidato, ao terminar a prova, deverá se retirar imediatamente do estabelecimento de ensino, não podendo permanecer nas suas dependências nem utilizar os sanitários.

8. DO JULGAMENTO DA PROVA OBJETIVAS

8.1.Neste modelo de julgamento, as provas objetivas serão estatisticamente avaliadas de acordo com o desempenho do grupo a elas submetido.

8.2.Considera-se grupo o total de candidatos presentes às provas do respectivo cargo, observando o número do código de inscrição na avaliação de cada prova. Será utilizado o escore padronizado com média igual a 50 (cinquenta) e desvio padrão igual a 10 (dez).

8.3.A nota obtida pelo candidato, em cada uma das provas, resultará da diferença entre o seu escore bruto e a média do grupo, dividida pelo desvio padrão da distribuição, multiplicada por 10 (dez) e acrescida de 50 (cinquenta).

Fórmula utilizada:

EP = x 10 + 50

Considerando-se:

X = Média de acertos do grupo

A = Número de acertos do candidato

S = Desvio padrão

EP = Escore padronizado

8.4.Para todos os cargos, o total de pontos de cada candidato será igual à soma das notas obtidas em cada uma das provas multiplicadas pelo respectivo peso.

8.5.Considera-se habilitado nas provas objetivas o candidato que obtiver total de pontos maior ou igual à nota de corte, que será definida de acordo com anuência da Comissão do Processo Seletivo.

8.6.Caberá recurso em conformidade com o Capítulo 12, deste Edital.

8.7.O candidato não habilitado será eliminado do Processo Seletivo.

9. DO JULGAMENTO DAS PROVAS DISSERTATIVAS

9.1.A Prova Dissertativa tem o objetivo de avaliar o domínio do conhecimento teórico-prático, uso adequado da linguagem, a articulação do raciocínio, a capacidade de argumentação teórico-metodológica e o uso correto do vernáculo.

9.2.Somente serão avaliadas as Provas Dissertativas dos candidatos habilitados e previamente classificados nas Provas Objetivas, conforme itens de julgamento estabelecidos no Capítulo 8 deste edital.

9.2.1.Somente serão avaliadas as Provas Dissertativas dos candidatos que forem habilitados e pré-classificados na Prova Objetiva;

9.2.3.Os candidatos que não estiverem habilitados para a correção das Provas Dissertativas serão automaticamente eliminados do Processo Seletivo.

9.3.Serão analisados na correção o uso adequado da norma culta da Língua Portuguesa, a capacidade de estruturação lógica do texto, a coerência entre a fundamentação e a conclusão, a clareza de exposição das ideias e o domínio técnico do assunto abordado.

9.3.1.Serão atribuídos os seguintes pontos: Norma-padrão (2 pontos), Coesão e Coerência (2 pontos) e Técnica (6 pontos);

9.3.2.A Prova Dissertativa será avaliada na escala de 0 (zero) a 10 (dez) pontos;

9.3.3.Será considerado habilitado na Prova Dissertativa o candidato que NÃO ZERAR em cada critério estabelecido no subitem 9.3.1.

9.3.3.1.O candidato que ZERAR na Prova Dissertativa, estabelecida no subitem 9.3.3, será eliminado do Processo Seletivo.

9.4.Durante a realização da Prova Dissertativa, não será permitida nenhuma espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, nem a utilização de livros, códigos, manuais, impressos ou quaisquer anotações.

9.4.1.Para o desenvolvimento do tema da Prova Dissertativa, o candidato deverá formular um texto com extensão mínima ou máxima definida no caderno de questões.

9.5.A folha de texto definitivo será o único documento válido para a avaliação da Prova Dissertativa.

9.5.1.A folha para rascunho, contida no caderno de provas, é de preenchimento facultativo e não valerá para tal finalidade. Em hipótese alguma, o rascunho elaborado pelo candidato será considerado na correção da Prova Dissertativa pela Banca Examinadora.

9.6.Será atribuída nota ZERO à Prova Dissertativa nos casos em que o candidato:

a)Fugir à proposta apresentada;

b)Apresentar textos sob forma não articulada verbalmente (incluindo apenas desenhos, números e palavras soltas ou em forma de verso);

c)Assinar fora do local apropriado;

d)Apresentar qualquer sinal que, de alguma forma, possibilite sua identificação;

e)Escrever o texto a lápis, em parte ou na sua totalidade;

f)Deixar a prova em branco;

g)Apresentar letra ilegível;

h)Não respeitar a extensão mínima ou máxima definida no caderno de questões.

i)Apresentar o texto em uma língua que não a portuguesa;

j)Apresentar o texto definitivo fora do espaço reservado para tal;

k)Apresentar formas propositais de anulação, como impropérios, trechos jocosos ou a recusa explícita em cumprir o tema proposto

9.7.Tabela de critérios de avaliação da Prova Dissertativa:

CRITÉRIOS

ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO DA PROVA DISSERTATIVA

PONTOS

 

 

 

 

 

 

 

O candidato deverá demonstrar domínio da norma-padrão da Língua Portuguesa. O candidato não

 

 

Norma-Padrão

deverá apresentar erros no que tange à ortografia, acentuação, pontuação, às regências verbal e

2

 

 

nominal, às concordâncias verbal e nominal, entre outros. Vícios de linguagem também serão

 

 

 

considerados.

 

 

 

 

 

 

Coesão e

O candidato deverá selecionar argumentos e organizá-los, articulando as partes do texto e utilizando

 

 

os recursos coesivos adequadamente. Os parágrafos devem estar organizados. A clareza e a

2

 

Coerência

 

organicidade do texto também são quesitos importantes a serem levados em consideração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Técnica

O candidato deverá apresentar proposta de intervenção bem articulada à argumentação desenvolvida

6

 

em seu texto, bem como total domínio em relação ao tema proposto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TOTAL

10

 

 

 

 

 

10. DA AVALIAÇÃO DE TÍTULOS

10.1.Os candidatos habilitados nas provas objetiva e dissertativa, conforme estabelecido nos Capítulos 8 e 9 deste Edital, poderão encaminhar os seus documentos relativos aos Títulos.

10.2.Os documentos relativos aos Títulos deverão ser encaminhados durante o período de inscrição, EXCLUSIVAMENTE, pelo endereço www.nossorumo.org.br. O acesso deverá ser realizado por meio do número do CPF e da senha do candidato cadastrados no site do Instituto Nosso Rumo. Após efetuar o login, o candidato deverá clicar na aba “Envio de Títulos”.

10.2.1.O acesso ao link para envio dos documentos relativos aos Títulos somente estará disponível durante o período de inscrição;

10.2.2.Ao confirmar o envio dos documentos e gerar o protocolo de envio, o candidato NÃO poderá alterar ou substituir os documentos enviados;

10.2.3.Serão avaliados somente os documentos enviados com resolução legível;

10.2.4.Os títulos devem ser inseridos conforme o nível de escolaridade: Somente serão aceitos títulos de Lato Sensu que estiverem inseridos no link “Pós-Graduação”, mestrado no link “Mestrado” e doutorado no link “Doutorado”. Os títulos que forem inseridos incorretamente no sistema em níveis de escolaridade diferentes (Exemplo: inserir Pós- Graduação Lato Sensu no lugar de Mestrado) serão DESCONSIDERADOS;

10.2.5.NÃO é necessário enviar títulos que abranjam apenas o pré-requisito para a vaga. Ex.: Graduação na área respectiva;

10.2.6.NÃO serão aceitos títulos de GRADUAÇÃO, quaisquer que sejam, pois, conforme disposto no quadro (item 10.11.), somente serão aceitos títulos de Pós- Graduação (Lato Sensu), Mestrado e/ou Doutorado;

10.2.6.O espaço para envio de títulos é destinado SOMENTE aos respectivos títulos (Pós-Graduação, Mestrado e/ou Doutorado) e histórico, caso necessário. NÃO será considerado qualquer outro tipo de documento: Certidão de Casamento, Carteira de Identidade, Comprovante de Pagamento etc.;

10.2.7.Conforme disposto no quadro (item 10.11.), somente serão aceitos títulos referentes à área do CARGO, não sendo aceitos títulos que não sejam ESPECÍFICOS do cargo ao qual o candidato se inscreveu.

10.2.8.A entrega dos documentos relativos aos Títulos NÃO É OBRIGATÓRIA. O candidato que não entregar a documentação não será eliminado do Processo Seletivo.

10.3.Serão aceitos como documentos os Títulos que forem representados por Diplomas e Certificados definitivos de conclusão de curso, expedidos por Instituição Oficial ou reconhecida, em papel timbrado, e deverão conter carimbo e identificação da instituição e do responsável pela expedição do documento.

10.3.1.Os documentos de Títulos que forem representados por declarações, certidões, atestados ou outros documentos que não tenham o cunho definitivo de conclusão de curso deverão estar acompanhados do respectivo histórico escolar, mencionando a data da colação de grau, bem como deverão ser expedidos por Instituição Oficial ou reconhecida, em papel timbrado, e deverão conter carimbo e identificação da instituição e do responsável pela expedição do documento;

10.3.2.Os títulos de Pós-Graduação (especialização) Lato Sensu deverão, obrigatoriamente, conter o número de horas, que deve ser maior ou igual a 360 (trezentas e sessenta) horas. Não serão aceitos os títulos cuja carga horária seja menor do que a indicada acima, visto que se trata da carga horária mínima obrigatória para um curso de especialização;

10.3.3.Os certificados expedidos em língua estrangeira deverão estar acompanhados pela correspondente tradução, efetuada por tradutor juramentado ou pela revalidação dada pelo órgão competente.

10.4.Os cursos deverão estar autorizados pelos órgãos competentes.

10.5.O nível de escolaridade exigido como requisito para inscrição no Processo Seletivo não será considerado como Título.

10.6.É de exclusiva responsabilidade do candidato a apresentação e a comprovação dos documentos de Títulos.

10.7.Não serão aceitas entregas ou substituições posteriores ao período determinado, bem como Títulos que não constem nas tabelas apresentadas neste capítulo.

10.8.A pontuação da documentação de Títulos se limitará ao valor de 9,5 (nove e meio) pontos.

10.9.No somatório da pontuação de cada candidato, os pontos excedentes serão desprezados.

10.10.A etapa de títulos será somente para fins de desempate, não sendo somada à nota da prova objetiva a pontuação.

10.11.Serão considerados Títulos somente os documentos constantes na tabela abaixo:

TABELA DE TÍTULOS

 

 

TÍTULOS

 

 

 

VALOR

 

 

VALOR

 

 

COMPROVANTES

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

UNITÁRIO

 

 

MÁXIMO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

a) Doutorado, concluído até a

 

 

 

 

 

 

 

Diploma, devidamente registrado, ou Declaração,

 

data

de

apresentação

dos

5,0

 

5,0

 

 

Certidão, Atestado ou outros documentos que não

 

títulos, desde que relacionado à

 

 

 

 

 

 

 

tenham o cunho definitivo de conclusão de curso,

 

ÁREA DO CARGO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

desde que mencionada a data da colação de

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

grau e que estejam acompanhados do respectivo

 

b) Mestrado, concluído até a

 

 

 

 

 

 

 

Histórico Escolar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

data

de

apresentação

dos

3,0

 

3,0

 

 

 

 

 

 

títulos, desde que relacionado à

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ÁREA DO CARGO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

c) Pós-Graduação Lato Sensu

 

 

 

 

 

 

 

Diploma, devidamente

registrado,

indicando,

 

(especialização) na

área

do

 

 

 

 

 

 

 

obrigatoriamente, o número de horas e o

 

Cargo,

com carga

horária

 

 

 

 

 

 

 

período de realização do curso. Declaração,

 

mínima de 360 (trezentas e

1,5

 

1,5

 

 

Certidão, Atestado ou outros documentos que não

 

sessenta)

horas,

concluídas

 

 

 

 

 

 

 

tenham cunho definitivo de conclusão de curso,

 

até a data de apresentação dos

 

 

 

 

 

 

 

além da carga horária, devem mencionar a data

 

títulos, desde que relacionada à

 

 

 

 

 

 

 

da colação de grau e ser acompanhados

 

ÁREA DO CARGO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 nbsp;

obrigatoriamente do

respectivo

Histórico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Escolar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11. DA CLASSIFICAÇÃO FINAL DOS CANDIDATOS

11.1.A Nota Final de cada candidato será IGUAL ao total de pontos obtidos na Prova Objetiva, acrescida da Prova Dissertativa (quando/ houver/for habilitado) e Títulos (quando houver/for habilitado)

11.2.Os candidatos serão classificados por ordem decrescente baseada na Nota Final, e sua classificação será distribuída por meio de listas, de acordo com o cargo escolhido.

11.3.Serão elaboradas duas listas de classificação: uma geral, com a relação de todos os candidatos habilitados no certame e uma específica para os candidatos com necessidades especiais.

11.4.O resultado provisório do Processo Seletivo será divulgado no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, e caberá recurso nos termos do Capítulo 12. DOS RECURSOS, deste Edital.

11.5.Após o julgamento dos recursos eventualmente interpostos, será divulgada a lista de Classificação Final, não sendo aceitos recursos posteriores.

11.6.A lista de Classificação Final será divulgada no endereço eletrônico www.nossorumo.org.br, www.ilhabela.sp.gov.br e na Secretaria de Educação no endereço: Avenida: São João, 268 – Perequê – Ilhabela/SP.

11.6.1.O resultado geral final do Processo Seletivo poderá ser consultado no site do Instituto Nosso Rumo, conforme o item acima, pelo prazo de 3 (três) meses, a contar da data de publicação da homologação.

11.7.No caso de igualdade na classificação final, dar-se-á preferência sucessivamente ao candidato que:

11.7.1.Tiver idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, até o último dia de inscrição deste Processo Seletivo, conforme Artigo 27, Parágrafo Único, do Estatuto do Idoso – Lei Federal nº 10.741/03, considerando a data de aplicação da prova objetiva;

11.7.2.Obtiver maior número de acertos na disciplina de Conhecimentos Específicos;

11.7.3.Obtiver maior número de acertos na disciplina de Língua Portuguesa;

11.7.4.Obtiver maior número de acertos na disciplina de Legislação Específica;

11.7.5.Obtiver maior número de acertos na disciplina de Matemática;

11.7.6.Obtiver maior número de pontos na Avaliação de Títulos;

11.7.7.Obtiver maior número de pontos na Prova Dissertativa;

11.7.8.Tiver maior idade, para os candidatos não alcançados pelo Estatuto do Idoso;

11.7.9.Sorteio.

11.8.Será realizado sorteio público para os candidatos que continuarem empatados na Nota Final, mesmo após aplicados todos os critérios de desempate previstos neste Edital, no item

11.7e seus subitens. O sorteio público terá o seguinte regramento:

11.8.1Todos os candidatos com notas finais iguais, e que as notas persistam empatadas nos componentes, serão agrupados e receberão uma numeração para participação no sorteio. A numeração será feita em ordem crescente: iniciando em 01 (um) e finalizando com o número da quantidade de candidatos empatados. A ordem de numeração será dada por rigorosa ordem do número de inscrição. Os candidatos poderão consultar a lista no site do Instituto Nosso Rumo;

11.8.2.Todo o processo do sorteio de desempate será gravado, não sendo necessária a presença dos candidatos envolvidos.

11.8.3.Em um recipiente, será colocada a numeração de todos os candidatos empatados, e o sorteio será feito com a retirada de um número de cada vez, de maneira aleatória;

11.8.4.A sequência sorteada será a ordem de desempate dos candidatos, determinando sua Classificação Final no referido Processo Seletivo;

11.8.5.Ao final do processo, será redigida uma ata referente ao sorteio público, que deverá ser assinada por todos os envolvidos.

11.9.A classificação alcançada neste Processo Seletivo não garante aos candidatos direito à nomeação para o cargo nem à escolha do local de trabalho, cabendo a PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE ILHABELA , o direito de empregar os candidatos aprovados de acordo com sua necessidade, não havendo obrigatoriedade de nomeação de todos os candidatos classificados, desde que respeitada a ordem de classificação;

12.DOS RECURSOS

12.1.Serão admitidos recursos nas seguintes situações: divulgação o resultado das inscrições efetivadas; divulgação das inscrições reservadas às pessoas com necessidades especiais; divulgação das solicitações de condições especiais para a realização da prova; indeferimento das inscrição com solicitação de isenção, divulgação dos gabaritos provisórios; divulgação dos resultados provisórios referentes à Avaliação de Títulos; resultado provisório da Prova Objetiva; resultado provisório da Prova Dissertativa.

12.2.O candidato poderá recorrer em quaisquer das situações supracitadas por meio do endereço eletrônico www.nossorumo.org.br.

12.2.1.Para entrar com recurso, conforme disposto no item 12.2., o candidato deverá acessar o site www.nossorumo.org.br, na aba “Área do Candidato”, digitar o número de seu CPF e sua senha de acesso. Na aba “Meus Concursos”, deverá selecionar o certame desejado e clicar no link “Recursos”, quando então deverá seguir as instruções dispostas no site;

12.2.2.Os recursos poderão ser interpostos no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis, contado a partir da divulgação.

12.3.Os recursos interpostos que não se referirem especificamente aos eventos aprazados não serão apreciados.

12.4.Admitir-se-á um único recurso por candidato, para cada evento referido no item 12.2.2 e seus subitens.

12.5.A interposição dos recursos não obstará o andamento regular do cronograma do Processo Seletivo.

12.6.Não serão aceitos recursos interpostos por correspondência (Sedex, AR, etc.), fac-símile, telex ou outro meio que não seja o estabelecido no item 12.2., deste capítulo.

12.7.Caso haja procedência do recurso, a questão poderá ser anulada ou ter seu gabarito alterado, se houver alternativa condizente.

12.7.1.O ponto relativo a uma questão eventualmente anulada será atribuído a todos os candidatos;

12.7.2.Na eventual troca de alternativa de uma questão, esta será pontuada em conformidade à nova alternativa informada através do gabarito final/oficial.

12.8.Caso haja procedência de recurso interposto dentro das especificações, poderá, eventualmente, ser alterada a classificação inicial obtida pelo candidato para uma classificação superior ou inferior ou, ainda, poderá ocorrer desclassificação do candidato que não obtiver nota mínima exigida para aprovação.

12.8.1.Depois de julgados todos os recursos apresentados, será publicado o resultado final do Processo Seletivo, com as alterações ocorridas em face do disposto no item acima.

12.9.Não serão apreciados os recursos que forem apresentados nas seguintes condições:

12.9.1.Em desacordo com as especificações contidas neste capítulo;

12.9.2.Fora do prazo estabelecido;

12.9.3.Sem fundamentação lógica e consistente;

12.9.4.Com argumentação idêntica a outros recursos;

12.9.5.Contra terceiros;

12.9.6.Com teor que desrespeite a Banca Examinadora;

12.9.7.Sem fundamentação lógica e que não corresponda à questão recursada;

12.9.8.Por meio da imprensa e/ou de redes sociais;

12.10.Em hipótese alguma, serão aceitos pedidos de vistas de prova, revisão de recurso, recurso do recurso ou recurso de gabarito definitivo.

12.11.A Banca Examinadora constitui última instância para recurso, sendo soberana em suas decisões, razão pela qual não caberão recursos adicionais.

13. DA CONTRATAÇÃO

13.1.A contratação dos candidatos obedecerá rigorosamente à ordem de classificação dos candidatos aprovados, observada a necessidade da Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela.

13.2.A aprovação e a classificação final geram, para o candidato, apenas a expectativa de direito à contratação. A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela reserva-se o direito de proceder às contratações em número que atenda ao interesse e às necessidades do serviço, dentro do prazo de validade do Processo Seletivo.

13.3.Os candidatos que vierem a ser convocados para admissão na Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela serão contratados conforme preceitos regidos pelo Estatuto do Servidor Público Municipal, instituído pela Lei Municipal nº 1.326/2018.

13.4.Por ocasião da contratação, os candidatos convocados deverão apresentar documentos originais, acompanhados de uma cópia, que comprovem os requisitos mínimos para provimento e que deram condições de inscrição, estabelecidas no presente Edital.

13.4.1.A convocação será publicada no endereço eletrônico www.ilhabela.sp.gov.br e afixada no quadro de avisos da Sede da Secretaria Municipal de Educação – e o candidato deverá apresentar-se no local e data estabelecida.

13.5.Os candidatos, no ato da contratação, deverão apresentar os documentos discriminados a seguir:

a)Cédula de Identidade – RG ou RNE;

b)Cadastro de Pessoa Física – CPF;

c)Título de Eleitor;

d)Comprovantes de votação na última eleição;

e)Certificado de Reservista ou Dispensa da Incorporação, quando do sexo masculino;

f)Inscrição no PIS/PASEP;

g)Declaração Negativa de Acumulação de Cargo (de próprio punho);

h)Comprovante de Residência (emitido em até 90 dias);

i)Comprovante de escolaridade exigida pelo cargo;

j)Documento de habilitação para exercícios da função de professor;

k)Comprovante do Registro no Conselho da categoria (ex.: CREF)

l)Declaração de não haver sofrido condenação em processo administrativo;

m)Atestado de antecedentes criminais.

13.5.1.No ato de sua contratação, o candidato deverá declarar, sob as penas da Lei, se é ou se já foi funcionário público (Federal, Estadual ou Municipal), seja como celetista, estatutário ou contratado;

13.5.2.Caso haja necessidade, a Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela poderá solicitar documentos complementares.

13.6.Obedecida à ordem de classificação, os candidatos serão submetidos aos exames médico e psicológico.

13.6.1.As decisões do Serviço Médico da Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, de caráter eliminatório para efeito de contratação, são soberanas e delas não caberá qualquer recurso;

13.6.2.Em caso de ausência ou atrasos nos exames, o candidato será eliminado do Processo Seletivo.

13.7.Não serão aceitos, no ato da contratação, protocolos ou cópias dos documentos exigidos. As cópias somente serão aceitas se estiverem acompanhadas do original.

13.8.No caso de desistência do candidato selecionado e o seu não comparecimento, quando convocado para uma vaga, o fato será formalizado em ata.

13.8.1.A ausência do candidato para a realização dos exames admissionais no dia, horário e local informados pelo Edital de Convocação, implicará a sua desistência e permitirá a convocação imediata do próximo classificado, salvo em caso fortuito ou de força maior, desde que devidamente comprovado e apreciado pela Comissão do Processo Seletivo.

13.8.2.O candidato que não atender à convocação para a atribuição e contratação no local determinado pela Secretaria Municipal de Educação, ou atendê‐la, mas recusar‐se ao preenchimento da vaga, será excluído do Processo Seletivo.

13.9.O candidato classificado se obriga a manter atualizado o endereço perante a Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, conforme o disposto nos itens 14.9 e 14.10, do Capítulo 14, deste Edital.

13.10.Não será contratado o candidato habilitado que fizer, em qualquer documento, declaração falsa ou inexata para fins de contratação e que não possuir os requisitos mínimos exigidos no Edital.

14.DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

14.1.Todas as convocações, avisos e resultados referentes às etapas do presente Processo Seletivo que antecedem a homologação serão publicados e divulgados na internet no endereço eletrônico www.ilhabela.sp.gov.br e afixada na Secretaria de Educação no endereço: Avenida São João, 277 – Perequê – Ilhabela/SP.

14.2.Não serão publicados resultados provisórios ou intermediários, sendo estes de divulgação exclusiva no site www.nossorumo.org.br e www.ilhabela.sp.gov.br, e afixada na Secretaria de Educação no endereço: Avenida São João, 277 – Perequê – Ilhabela/SP.

14.3.Não será fornecido ao candidato qualquer documento comprobatório de classificação no Processo Seletivo, valendo, para esse fim, com exceção aos candidatos que contrataram o serviço adicional para adquirir este documento em forma de certificado de aprovação.

14.4.A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela e o Instituto Nosso Rumo se eximem das despesas com viagens e estadia dos candidatos em quaisquer das fases do Processo Seletivo.

14.5.A aprovação no Processo Seletivo não gera direito à convocação, mas esta, quando se fizer, respeitará a ordem de classificação final.

14.6.A inexatidão das afirmativas e/ou irregularidades dos documentos apresentados, mesmo que verificadas a qualquer tempo, em especial na ocasião da convocação, acarretarão a nulidade da inscrição e desqualificação do candidato, com todas as suas decorrências, sem prejuízo de medidas de ordem administrativa, civil e criminal.

14.7.Caberá à Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela a homologação dos resultados finais do Processo Seletivo, a qual poderá ser efetuada por cargo ou a critério da Administração.

14.8.Os itens deste Edital poderão sofrer eventuais alterações, atualizações ou acréscimos enquanto não consumada a providência ou evento que lhe disser respeito, até a data da respectiva providência ou evento, circunstância que será mencionada em Edital.

14.9.O candidato classificado se obriga a manter atualizado o endereço perante o Instituto Nosso Rumo, situado à Rua Conde de Irajá, 13 – loja 5 – Vila Mariana – São Paulo/SP, CEP 04119-010, até a data de publicação da homologação dos resultados e, após esta data, junto a Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, na Av. São João, 277 - Perequê, pessoalmente (munido de documento de identificação original com foto).

14.10.É de responsabilidade do candidato manter seu endereço e telefone atualizados, até que se expire o prazo de validade do Processo Seletivo, para viabilizar os contatos necessários, sob pena de, quando for convocado, perder o prazo para ser nomeado, caso não seja localizado.

14.11.A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela e o Instituto Nosso Rumo não se responsabilizam por eventuais prejuízos ao candidato decorrentes de:

14.11.1.Endereço não atualizado;

14.11.2.Endereço de difícil acesso;

14.11.3.Correspondência devolvida pela ECT por razões diversas de fornecimento e/ou endereço errado do candidato;

14.11.4.Correspondência recebida por terceiros.

14.12.A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela, por decisão motivada e justificada, poderá revogar ou anular o presente Processo Seletivo, no todo ou em parte, bem como alterar os quantitativos de vagas constantes na Tabela I, do Capítulo 1, deste Edital.

14.13.As despesas relativas à participação do candidato no Processo Seletivo e à apresentação para admissão e exercício correrão às expensas do próprio candidato.

14.14.A Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela e o Instituto Nosso Rumo não se responsabilizam por quaisquer cursos, textos, apostilas e outras publicações referentes a este Processo Seletivo.

14.15.Todos os cálculos de notas descritos neste Edital serão realizados com duas casas decimais, arredondando-se para cima sempre que a terceira casa decimal for maior ou igual a cinco.

14.16.A legislação indicada no ANEXO II – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO inclui eventuais alterações posteriores, ainda que não expressamente mencionadas. Considerar-se-á, para efeito de aplicação e correção das provas, a legislação vigente até a data de publicação deste Edital.

14.17.Não serão admitidas inscrições de candidatos que possuam, com qualquer dos membros do quadro societário da empresa contratada para aplicação e correção do presente certame, a relação de parentesco definida e prevista nos artigos nº 1591 a nº 1595 do Código Civil, valorizando-se assim os princípios de moralidade e impessoalidade que devem nortear a Administração Pública. Constatada a tempo, será a inscrição indeferida pela Comissão Organizadora e, posterior à homologação, será o candidato eliminado do Processo Seletivo, sem prejuízo de responsabilidade civil, penal e administrativa.

14.18.A realização do certame será feita sob responsabilidade do Instituto Nosso Rumo, havendo o envolvimento de recursos humanos da Administração Pública na realização e avaliação de algumas etapas do Processo Seletivo.

14.19.Os casos omissos serão resolvidos conjuntamente pela Comissão do Processo Seletivo da Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilhabela e pelo Instituto Nosso Rumo, no que tange à realização deste Processo Seletivo.

Ilhabela, 29 de outubro de 2020.

JOÃO PAULO DE SOUZA

SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ANEXO I – ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - EDUCAÇÃO INFANTIL – DE 01 A 05 ANOS DE IDADE

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional, em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições típicas: Participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, Participar de ações de formação continuada; motivar o desenvolvimento das crianças através do gosto pelo desenho, pintura, modelagem, conversação, canto e dança; criar estímulos saudáveis, desenvolvendo-lhes inclinações e aptidões próprias de cada criança, a fim de promover a evolução harmoniosa entre elas; planejar jogos e entretenimentos específicos, apropriados à faixa etária do grupo de crianças; organizar e promover trabalhos complementares de caráter cívico, cultural e recreativo; cuidar, estimular e orientar as crianças na aquisição de hábitos de higiene; participar quando necessário, zelando pela higiene das crianças, trocando fralda, dando banho e escovando os dentes; observar e registrar, diariamente o comportamento e desenvolvimento das crianças sob sua responsabilidade e elaborar relatórios periódicos de avaliação; prestar os primeiros socorros, quando necessário; relatar as ocorrências não rotineiras ao superior imediato, para providências subsequentes; garantir a segurança das crianças na unidade educacional; cuidar do ambiente e dos materiais utilizados no desenvolvimento das atividades, organizando os objetos de uso pessoal das crianças; inteirar-se da realidade física e social das crianças; organizar tempos e espaços que privilegiem o brincar como forma de expressão, pensamento, interação e aprendizagem; receber e acompanhar as crianças diariamente na sua entrada e ou saída da unidade, observando seu estado geral de saúde e comunicando, se for o caso, ao Diretor/ Coordenador; registrar a frequência diária das crianças; ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; participar de reuniões e programas de aperfeiçoamento e outros eventos, quando solicitado; participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento e à avaliação do processo ensino-aprendizagem e ao seu desenvolvimento profissional; realizar pesquisas na área da educação; participar da elaboração da proposta pedagógica de sua unidade escolar; elaborar programas e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; controlar e avaliar o rendimento escolar dos alunos; elaborar e encaminhar os relatórios bimestrais das atividades desenvolvidas ao Diretor da unidade escolar em que está lotado; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; responsabilizar-se pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; colaborar na organização das atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade; realizar reuniões com os pais ou quem os substitua, estabelecendo vínculo família-escola, apresentando e discutindo o trabalho vivenciado e o desenvolvimento do aluno; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - ENSINO FUNDAMENTAL I - DE 1º AO 5º ANO

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional, em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições típicas: Participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, Participar de ações de formação continuada; Cumprir o currículo previsto, tornando-o dinâmico e organizando atividades que possibilitem ao aluno o domínio da leitura, da escrita, das operações matemáticas e conhecimentos sobre a natureza e sociedade; contextualizar os conteúdos das disciplinas relacionando a teoria com a prática, tendo o aluno como sujeito do processo de aprendizagem; analisar e definir claramente a ação educativa, percebendo-a como ação social, considerando as relações escola-família-comunidade e o retrato cultural; inserir o aluno no processo de

desenvolvimento como cidadão produtivo; desenvolver no aluno a fixação da autoimagem, o desenvolvimento da sociabilidade, a vivência de valores democráticos e a responsabilidade pessoal pelo bem-estar comum; elaborar avaliações formativas, visando sanar durante o processo as dificuldades do aluno; ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; participar de reuniões e programas de aperfeiçoamento e outros eventos, quando solicitado; participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento e à avaliação do processo ensino-aprendizagem e ao seu desenvolvimento profissional; realizar pesquisas na área da educação; participar da elaboração da proposta pedagógica de sua unidade escolar; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; controlar e avaliar o rendimento escolar dos alunos; elaborar e encaminhar os relatórios bimestrais das atividades desenvolvidas ao Diretor da unidade escolar em que está lotado; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do Diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; responsabilizar-se pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; colaborar na organização das atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade; realizar reuniões com os pais ou quem os substitua, estabelecendo vínculo família-escola, apresentando e discutindo o trabalho vivenciado e o desenvolvimento do aluno; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

300 - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 5º ANO – PARA MINISTRAR AULAS NAS COMUNIDADES TRADICIONAIS)

317 - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO –

PARA MINISTRAR AULAS NAS COMUNIDADES TRADICIONAIS)

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua classe multisseriada zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação e do contexto sociocultural das comunidades tradicionais caiçaras; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional, em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições típicas: Participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, Participar de ações de formação continuada, principalmente, aquelas voltadas para a educação diferenciada em comunidades tradicionais caiçaras; motivar o desenvolvimento das crianças através do gosto pelo desenho, pintura, modelagem, conversação, canto e dança; criar estímulos saudáveis, desenvolvendo lhes inclinações e aptidões próprias de cada criança, a fim de promover a evolução harmoniosa entre elas; planejar jogos e entretenimentos específicos, apropriados à faixa etária do grupo de crianças; organizar e promover trabalhos complementares de caráter cívico, cultural e recreativo; cuidar, estimular e orientar as crianças na aquisição de hábitos de higiene; zelar pela higiene das crianças, escovando os dentes; observar e registrar, diariamente o comportamento e desenvolvimento das crianças sob sua responsabilidade e elaborar relatórios periódicos de avaliação; prestar os primeiros socorros, quando necessário; relatar as ocorrências não rotineiras ao superior imediato, para providências subsequentes; garantir a segurança das crianças na unidade educacional; cuidar do ambiente e dos materiais utilizados no desenvolvimento das atividades, organizando os objetos de uso pessoal das crianças; inteirar-se da realidade física e social das crianças; organizar tempos e espaços que privilegiem o brincar como forma de expressão, pensamento, interação e aprendizagem; receber e acompanhar as crianças diariamente na sua entrada e ou saída da unidade, observando seu estado geral de saúde e comunicando, se for o caso, ao diretor / Coordenador; registrar a frequência diária das crianças; cumprir o currículo previsto, tornando-o dinâmico e organizando atividades que possibilitem ao aluno o domínio da leitura, da escrita, das operações matemáticas e conhecimentos sobre a natureza e sociedade; contextualizar os conteúdos das disciplinas relacionando a teoria com a prática, tendo o aluno como sujeito do processo de aprendizagem; analisar e definir claramente a ação educativa, percebendo-a como ação social, considerando as relações escola-família- comunidade e o retrato cultural local das comunidades caiçaras; inserir o aluno no processo de desenvolvimento como cidadão produtivo; desenvolver no aluno a fixação da autoimagem, o desenvolvimento da sociabilidade, a vivência de valores democráticos e a responsabilidade pessoal pelo bem-estar comum; elaborar avaliações formativas, visando sanar durante o processo as dificuldades do

aluno; ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; participar de reuniões e programas de aperfeiçoamento e outros eventos, quando solicitado; participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento e à avaliação do processo ensino-aprendizagem e ao seu desenvolvimento profissional; realizar pesquisas na área da educação; participar da elaboração da proposta pedagógica de sua unidade escolar; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; controlar e avaliar o rendimento escolar dos alunos; elaborar e encaminhar os relatórios bimestrais das atividades desenvolvidas ao Diretor da unidade escolar em que está lotado; colaborar na organização das atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade; realizar reuniões com os pais ou quem os substitua, estabelecendo vínculo família-escola, apresentando e discutindo o trabalho vivenciado e o desenvolvimento do aluno; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá- la; cumprir jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO - EDUCAÇÃO INCLUSIVA INTELECTUAL/MENTAL)

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO - EDUCAÇÃO INCLUSIVA AUDIOCOMUNICAÇÃO)

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional , em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições Típicas: Participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, Atender o aluno, público-alvo da Educação Especial, na conformidade com a legislação vigente; Participar da elaboração da proposta pedagógica da escola; Realizar a avaliação pedagógica inicial dos alunos, público-alvo da Educação Especial, que dimensionará a natureza e o tipo de atendimento indicado, além do tempo necessário à sua viabilização; Elaborar relatório descritivo da avaliação pedagógica inicial; Elaborar e desenvolver o Plano de Atendimento Individualizado; Integrar os Conselhos de Classe/Ciclo/Ano/Série/Termo; Oferecer apoio técnico- pedagógico ao professor da classe/aulas do ensino regular, indicando os recursos pedagógicos e de acessibilidade, bem como estratégias metodológicas; Participar de ações de formação continuada; Manter atualizados os registros de todos os atendimentos efetuados, conforme instruções estabelecidas para cada área; Orientar os pais/responsáveis pelos alunos, bem como a comunidade, quanto aos procedimentos e encaminhamentos sociais, culturais, laborais e de saúde; Participar das demais atividades pedagógicas programadas pela escola; Elaborar cronograma de Atendimento; Elaborar atividades que contribuam para a aprendizagem mais significativa, além de propor situações vivenciais ( com base nas experiências vividas) que possibilite ao aluno organizar seu pensamento, promovendo autonomia e participação; Avaliar continuamente o desempenho do aluno público alvo da educação especial; Registrar a avaliação bimestralmente em relatórios individuais.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO)

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional , em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições Típicas: Ampliar aos alunos as oportunidades de aprendizagem, suprindo suas dificuldades nos diferentes campos de conhecimento, por meio de instrumentalização metodológica e alternativa nas áreas de língua portuguesa e matemática; cumprir o horário de trabalho convencionado para o ano letivo; zelar pela aprendizagem avaliando o rendimento escolar dos alunos de acordo com a Proposta Pedagógica e o Regimento Escolar; observar as atitudes comportamentais de alunos em classe e tomar providências para garantir condições favoráveis inerentes à aula; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do Diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, apresentando,

por escrito a justificativa, expondo as razões das ausências que porventura ocorram; responsabilizar pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; comunicar por escrito ao Diretor da Unidade Escolar os casos de alunos com problemas de assiduidade e pontualidade; exercer estratégia de atendimento diferenciado mediante as dificuldades específicas apresentadas pelos alunos; manter-se atualizado e compromissado com a melhoria da qualidade de ensino; ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; realizar pesquisas na área da educação; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO ARTE E CULTURA)

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional , em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições Típicas: Incentivar a produção artística e cultural, individual e coletiva dos alunos como possibilidade de reconhecimento e recriação estética de si e do mundo, bem como da valorização às questões do patrimônio material e imaterial, produzidos historicamente pela humanidade, no sentido de garantir processos de pertencimento ao local e à sua história; desenvolver atividades baseadas em práticas, enfatizando o resgate da cultura local, bem como o fortalecimento da diversidade cultural; realizar práticas no âmbito cultural, voltadas para o desenvolvimento integral do aluno, atribuindo significado às práticas desenvolvidas com criticidade e criatividade; cumprir o horário de trabalho convencionado para o ano letivo; zelar pela aprendizagem avaliando o rendimento escolar dos alunos de acordo com a Proposta Pedagógica e o Regimento Escolar; observar as atitudes comportamentais de alunos em classe e tomar providências para garantir condições favoráveis inerentes à aula; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do Diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, apresentando, por escrito a justificativa, expondo as razões das ausências que porventura ocorram; responsabilizar pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; comunicar por escrito ao Diretor da Unidade Escolar os casos de alunos com dificuldades especiais no processo ensino aprendizagem e com problemas de assiduidade e pontualidade; exercer estratégia de recuperação para alunos com menor rendimento; manter-se atualizado e compromissado com a melhoria da qualidade de ensino. ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; realizar pesquisas na área da educação; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando 15 material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO JOGOS PEDAGÓGICOS)

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional , em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições Típicas: Desenvolver atividades baseadas em práticas lúdicas, inclusivas, pedagógicas e recreativas, enfatizando o resgate da cultura local, bem como o fortalecimento da diversidade cultural; realizar práticas no âmbito educacional, voltadas para o desenvolvimento integral do aluno, atribuindo significado às práticas desenvolvidas com criticidade e criatividade por meio de ações planejadas, visando a sua incorporação ao modo de vida cotidiano; cumprir o horário de trabalho convencionado para o ano letivo; zelar pela aprendizagem avaliando o rendimento escolar dos alunos de acordo com a

Proposta Pedagógica e o Regimento Escolar; observar as atitudes comportamentais de alunos em classe e tomar providências para garantir condições favoráveis inerentes à aula; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do Diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, apresentando, por escrito a justificativa, expondo as razões das ausências que porventura ocorram; responsabilizar-se pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; comunicar por escrito ao Diretor da Unidade Escolar os casos de alunos com dificuldades especiais no processo de ensino e aprendizagem e com problemas de assiduidade e pontualidade; exercer estratégia de recuperação para alunos com menor rendimento; manter-se atualizado e compromissado com a melhoria da qualidade de ensino. Ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; realizar pesquisas na área da educação; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado em articulação com a equipe de orientação pedagógica; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA - (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO HÁBITOS E ATITUDES

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional , em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições Típicas: Orientar e incentivar hábitos de higiene e alimentação saudável; estimular a organização e utilização dos espaços coletivos e meio ambiente no qual o aluno está inserido de modo autônomo no atendimento das demandas individuais e coletivas; promovendo práticas de conhecimento e sustentabilidade; zelar pela aprendizagem valorizando fatores atitudinais referentes ao respeito à diversidade social, cultural, ambiental, promovendo ações éticas e cidadãs dos alunos de acordo com a Proposta Pedagógica e o Regimento Escolar; cumprir o horário de trabalho convencionado para o ano letivo;; observar as atitudes comportamentais de alunos em classe e tomar providências para garantir condições favoráveis inerentes à aula; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do Diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, apresentando, por escrito a justificativa, expondo as razões das ausências que porventura ocorram; responsabilizar pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; comunicar por escrito ao Diretor da Unidade Escolar os casos de alunos com dificuldades especiais no processo ensino aprendizagem e com problemas de assiduidade e pontualidade; exercer estratégia de recuperação para alunos com menor rendimento; manter-se atualizado e compromissado com a melhoria da qualidade de ensino. ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; realizar pesquisas na área da educação; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

PROFESSOR DE ARTE – (ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª

SÉRIE)

PROFESSOR DE CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

PROFESSOR DE GEOGRAFIA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

PROFESSOR DE HISTÓRIA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA – (EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

PROFESSOR DE MATEMÁTICA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

Descrição sintética: Ministrar aulas em conformidade com sua disciplina, zelando pela aprendizagem do aluno, planejando, executando, avaliando e registrando os objetivos e as atividades do processo ensino – aprendizagem, a partir das orientações e diretrizes da Secretaria Municipal de Educação; respeitar e cumprir os fins e objetivos da Educação Nacional, em conformidade com a Base Nacional Comum Curricular e as disposições contidas no Regimento Escolar.

Atribuições Típicas: Participar das reuniões e atividades programadas pela Unidade Escolar e das constantes do Calendário Escolar, apresentando, cumprir o horário de trabalho convencionado para o ano letivo; zelar pela aprendizagem avaliando o rendimento escolar dos alunos de acordo com a Proposta Pedagógica e o Regimento Escolar; observar as atitudes comportamentais de alunos em classe e tomar providências para garantir condições favoráveis inerentes à aula; manter devidamente atualizados os registros a serem feitos nos diários de classe, que não podem ser retirados da escola sem a prévia autorização do Diretor e na ficha de acompanhamento do aluno; por escrito a justificativa, expondo as razões das ausências que porventura ocorram; responsabilizar pela disciplina e zelar pela limpeza e ordem em todos os ambientes da Unidade Escolar; comunicar por escrito ao Diretor da Unidade Escolar os casos de alunos com dificuldades especiais no processo ensino aprendizagem e com problemas de assiduidade e pontualidade; exercer estratégia de recuperação para alunos com menor rendimento; manter-se atualizado e compromissado com a melhoria da qualidade de ensino. ser um professor facilitador da aprendizagem e mediador do conhecimento; realizar pesquisas na área da educação; elaborar projetos e planos de aula, relacionando e confeccionando material didático a ser utilizado, em articulação com a equipe de orientação pedagógica; refletir e avaliar sua prática profissional, buscando aperfeiçoá-la; ser assíduo e pontual no exercício de suas atividades, cumprindo a jornada de trabalho estabelecida na legislação vigente; executar outras atribuições afins.

ANEXO II – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

PARA TODOS OS CARGOS DE PROFESSOR

LÍNGUA PORTUGUESA

Interpretação de texto. Significação das palavras: sinônimos, antônimos, sentidos próprio e figurado. Ortografia oficial conforme a reforma ortográfica vigente. Pontuação. Acentuação. Emprego das classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, pronome, artigo, verbo, advérbio, preposição, conjunção (classificação e sentido que imprime às relações entre as orações). Concordâncias verbal e nominal. Regências verbal e nominal. Crase. Figuras de linguagem. Vícios de linguagem. Equivalência e transformação de estruturas. Flexão de substantivos, adjetivos e pronomes (gênero, número, grau e pessoa). Sintaxe. Morfologia. Estrutura e formação das palavras. Discursos direto, indireto e indireto livre. Processos de coordenação e subordinação. Colocação pronominal.

MATEMÁTICA

Conjuntos: linguagem básica, pertinência, inclusão, igualdade, reunião e interseção. Números naturais,

inteiros, racionais e reais: adição, subtração, multiplicação, divisão e potenciação. Múltiplos e divisores,

fatoração, máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum. Medidas: comprimento, área, volume,

ângulo, tempo e massa. Proporções e Matemática Comercial: grandezas diretamente e inversamente proporcionais. Regra de três simples e composta. Porcentagem, juros e descontos simples. Cálculo Algébrico: identidades algébricas notáveis. Operações com expressões algébricas. Operações com polinômios. Equações e Inequações: equações do 1º e 2º graus. Interpretação de gráficos. Sistemas de equações de 1º e 2º graus. Análise Combinatória e Probabilidade: arranjos, combinações e permutações simples. Probabilidade de um evento. Progressões: progressões aritmética e geométrica. Geometrias Plana e Sólida: geometria plana: elementos primitivos. Retas perpendiculares e planas. Teorema de Tales. Relações métricas e trigonométricas em triângulos retângulos. Áreas de triângulos, paralelogramos, trapézios e discos. Áreas e volumes de prismas, pirâmides, cilindros, cones e esferas. Funções: operações com funções de 1º e 2º graus. Gráficos de funções de 1º e 2º graus. Máximo e mínimo da função de 2º grau. Funções logaritmo e exponencial. Trigonometria: funções trigonométricas. Identidades fundamentais. Aplicação da trigonometria ao cálculo de elementos de um triângulo. Raciocínio lógico. Raciocínio sequencial. Orientações espacial e temporal. Formação de conceitos. Discriminação de elementos. Compreensão do processo lógico que, a partir de um conjunto de hipóteses, conduz, de forma válida, a conclusões determinadas.

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA

Constituição da República Federativa do Brasil (Art. 205 a 214). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Lei nº 9.394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei nº 8.069/90 – Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Resolução CNE/CEB Nº. 2 – 11/09/2001 – Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf

Educação

Inclusiva: Fundamentação Filosófica – Ministério da Educação – Secretaria de

Educação

Especial.

Disponível

em:

http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/fundamentacaofilosofica.pdf

 

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdff

Lei Federal nº 13.005, de 25 de junho de 2014 – Plano Nacional de Educação – PNE. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

Lei nº 11.494/07 – FUNDEB. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2007/Lei/L11494.htmm

Brasil. Resolução CNE/CEB 4, de 13-07-2010 – Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf

Brasil. Resolução CNE/CP 1, de 30-05-2012 – Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp001_12.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – EDUCAÇÃO INFANTIL (DE 1 A 5 ANOS DE IDADE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Concepção de Educação Infantil, de infância e de criança. O imaginário infantil. O professor de Educação Infantil: Perfil. Desenvolvimento infantil: físico, afetivo, cognitivo e social. Relação entre o cuidar e o educar. Pensamento e linguagem, leitura e escrita, letramento. O brincar e o brinquedo. Construção das diferentes linguagens pelas crianças: movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, natureza e ambiente e matemática. O jogo como recurso privilegiado. Avaliação do processo educativo na Educação Infantil. A criança e a Educação Infantil: história, concepções. Teorias de aprendizagem. Planejamento na Educação Infantil. Eixos do trabalho pedagógico na educação infantil: as brincadeiras e as interações. Avaliação na educação infantil. A organização do tempo e do espaço na educação infantil. O cotidiano na creche: espaço, rotina, afetividade, alimentação, higiene, cuidados essenciais. O professor de educação infantil. Projeto Político Pedagógico: princípios e finalidades. O jogo e a educação infantil. A brincadeira de faz-de-conta: lugar do simbolismo, da representação e do imaginário.

Bibliografia Sugerida

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.

Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil

. Avaliação e Educação Infantil: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança/Jussara Hoffmann. - Porto

Alegre: Mediação

LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002. LERNER, Delia

BNCC- BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR - EDUCAÇÃO INFANTIL http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#infantil

BRASIL. Ministério da Educação. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos

fundamentais das crianças. Brasília: MEC/SEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/direitosfundamentais.pdf

GOBBI, Marcia Aparecida; PINAZZA, Mônica Appezzato. Infância e suas linguagens. São Paulo: Cortez, 2014. caps. 2, 4 e 5.

https://www.researchgate.net/publication/342365002_A_INFANCIA_E_SUAS_LINGUAGENS

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedos e brincadeiras.

http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7155-2-3-brinquedos-brincadeiras-tizuko- morchida/fileRICHTER, Sandra Regina Simonis; BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Revista Educação, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 85-96,

jan./abr. 2010. Disponível em: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs- 2.2.2/index.php/reveducacao/article/view/1605/900

Brasil, MEC. Projeto Político-Pedagógico: dimensões conceituais. Disponível em: http://escoladegestores.mec.gov.br/site/2-sala_projeto_vivencial/pdf/dimensoesconceituais.pdf

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.U., 1992.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume2.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf

TERRA, Márcia Regina. O Desenvolvimento Humano na Teoria de Piaget. Disponível em: https://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d00005.htm

MEC: Cadernos pedagógicos

Caderno2Alfabetização.Disponívelem: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/alfabetizacao.pdf

Caderno 6 – Cultura e Arte. Disponível em: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/cultura_artes.pdf

Caderno 8 – Promoção da Saúde. Disponível em: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/promocao_saude.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – ENSINO FUNDAMENTAL (DE 1º AO 5º ANO)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Concepções de Educação e Escola. A educação enquanto direito de todos. Educação e Inclusão. Avaliação na aprendizagem. Concepções de currículo: teorias críticas e pós-críticas. A função social da escola. A relação escola/sociedade. O pedagogo na escola básica. O professor e o Projeto Político Pedagógico da Escola. A sala de aula e a prática pedagógica: currículo escolar, planejamento e avaliação, interação professor/aluno, recursos didáticos. Alfabetização e letramento no ensino fundamental. A prática educativa nas séries iniciais do ensino fundamental. Desenvolvimento da aprendizagem. Concepções de aprendizagem: tendências pedagógicas na prática escolar. Tendências educacionais na sala de aula: correntes teóricas e alternativas metodológicas. A construção do conhecimento: papel do educador, do educando e da sociedade. Visão interdisciplinar e transversal do conhecimento. Projeto político pedagógico: fundamentos para a orientação, planejamento e implementação de ações voltadas ao desenvolvimento humano pleno, tomando como foco o processo ensino-aprendizagem. Currículo em ação: planejamento, seleção e organização dos conteúdos. Avaliação. Organização da escola centrada no processo de desenvolvimento do educando. Pressupostos da Aprendizagem e do Ensino de Alfabetização. As capacidades linguísticas da alfabetização. Avaliação do processo de alfabetização. A leitura e a escrita. Histórias infantis em sala de aula. Formas de organização dos conteúdos. Características de um projeto. Reflexão sobre as normas ortográficas. Gramática e norma-padrão da Língua Portuguesa. Processo de Construção: a Aprendizagem. Desenvolvimento e conhecimento. Didática. O papel do professor. Currículo e desenvolvimento humano. Currículo. Autoridade e autonomia. Ensinar, uma arte e uma ciência. A prática educativa. A função social do Ensino. As relações interativas em sala de aula. Avaliação. Teorias da Aprendizagem. Pensadores da Educação. O processo de ensino e de aprendizagem nas teorias pedagógicas. O pensamento de Jean Piaget, Lev Semionovich Vygotsky, Emília Ferreiro, Maria da Graca Nicoletti Mizukami, Cipriano Luckesi, Dermeval Saviani, Ana Teberosky, Henri Wallon, Paulo Freire, Délia Lerner, Isabel Solé.

Bibliografia Sugerida

Didática da Matemática - Reflexões Psicopedagógicas, Cecília Parra e Irma Saiz (orgs.), 258 págs., Ed. Artmed

FERREIRO, Emília.; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. ed. com. Porto Alegre: Artmed, 1999. 300p.

FERREIRO, Emília. O ingresso na escrita e nas culturas do escrito. Seleção de textos de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2014.

DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas (SP): Mercado das Letras; 2004

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.

BNCC Base Nacional Comum Curricular - Ensino Fundamental Anos Iniciais

Parâmetros

Curriculares

Nacionais.

Disponível

em:

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf

 

 

Brasil, MEC. Projeto Político-Pedagógico: dimensões conceituais. Disponível em: http://escoladegestores.mec.gov.br/site/2-sala_projeto_vivencial/pdf/dimensoesconceituais.pdf

PASQUALE e ULISSES. Gramática da Língua Portuguesa. Ed Scipione.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Leitura).

Disponível em:

http://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/images/stories/biblioteca/paulo_freire/Pedagogia_da_A utonomia_-_P.Freire.pdf

GRATIOT-ALFANDÉRY, Hélène. WALLON, Henri. Ed. Massangana. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4686.pdf

IVIC, Ivan. Lev Semionovich Vygostky. Ed. Massangana. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4685.pdf

LERNER, Delia. Ler e Escrever na Escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre, Artmed, 2005.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed.

São Paulo: Cortez, 2011.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.U., 1992.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses

sobre a educação política. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: Editora Artmed, 1998.

TERRA, Márcia Regina. O Desenvolvimento Humano na Teoria de Piaget. Disponível em: https://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d00005.htm

MEC: Cadernos pedagógicos

Caderno2Alfabetização.Disponívelem: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/alfabetizacao.pdf

Caderno 6 – Cultura e Arte. Disponível em: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/cultura_artes.pdf

Caderno 8 – Promoção da Saúde. Disponível em: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/promocao_saude.pdf

PARA OS CARGOS: PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 5º ANO – PARA MINISTRAR AULAS NAS COMUNIDADES TRADICIONAIS) E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO – PARA MINISTRAR AULAS NAS COMUNIDADES TRADICIONAIS)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

A educação enquanto direito de todos. Educação do campo: conceitos e princípios envolvidos. Educação e Inclusão. As concepções de Educação e suas repercussões na Organização do Trabalho Escolar. Avaliação na aprendizagem. Relação professor – aluno – conhecimento. Competência e compromisso do educador. O trabalho com o conhecimento escolar. Concepções de currículo: teorias críticas e pós- críticas. A função social da escola. A relação escola/sociedade. O professor na escola básica do campo. O pedagogo na escola básica. O professor e o Projeto Político Pedagógico da Escola de campo. A sala de aula multisseriada e a prática pedagógica: currículo escolar, planejamento e avaliação, interação professor/aluno, recursos didáticos. Alfabetização e letramento no ensino fundamental. A prática educativa nas séries iniciais e finais do ensino fundamental. Desenvolvimento da aprendizagem. Concepções de aprendizagem: tendências pedagógicas na prática escolar. O processo de ensino e de aprendizagem nas teorias pedagógicas: tradicional, tecnicista, progressista, construtivista e sociointeracionista. O pensamento de Jean Piaget, Lev Semionovich Vygotsky, Emília Ferreiro, Maria da Graca Nicoletti Mizukami, Cipriano Luckesi, Dermeval Saviani, Ana Teberosky, Henri Wallon, Paulo Freire, Délia Lerner, Isabel Solé. Concepção de Educação Infantil, de infância e de criança. O imaginário infantil. O professor de Educação Infantil: Perfil. Desenvolvimento infantil: físico, afetivo, cognitivo e social. Relação entre o cuidar e o educar. Pensamento e linguagem, leitura e escrita, letramento. O brincar e o brinquedo. Construção das diferentes linguagens pelas crianças: movimento, música, artes visuais, linguagem oral e escrita, natureza e ambiente e matemática. O jogo como recurso privilegiado. Avaliação do processo educativo na Educação Infantil. A criança e a Educação Infantil: história, concepções. Teorias de aprendizagem. Planejamento na Educação Infantil. Eixos do trabalho pedagógico na educação infantil: as brincadeiras e as interações. Avaliação na educação infantil. A organização do tempo e do espaço na educação infantil.

Bibliografia Sugerida

Brasil, MEC. Projeto Político-Pedagógico: dimensões conceituais. Disponível em: http://escoladegestores.mec.gov.br/site/2-sala_projeto_vivencial/pdf/dimensoesconceituais.pdf

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Leitura).

Disponível em:

http://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/images/stories/biblioteca/paulo_freire/Pedagogia_da_A utonomia_-_P.Freire.pdf

GRATIOT-ALFANDÉRY, Hélène. WALLON, Henri. Ed. Massangana. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4686.pdf

IVIC, Ivan. Lev Semionovich Vygostky. Ed. Massangana. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4685.pdf

LERNER, Delia. Ler e Escrever na Escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre, Artmed, 2005.

LIMA, José Milton. O jogo como recurso pedagógico no contexto educacional / José Milton Lima.

São Paulo: Cultura Acadêmica : Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Graduação, 2008. 157p.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed.

São Paulo: Cortez, 2011.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: E.P.U., 1992.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume2.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses

sobre a educação política. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: Editora Artmed, 1998.

TERRA, Márcia Regina. O Desenvolvimento Humano na Teoria de Piaget. Disponível em: https://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d00005.htm

Projeto

Político-Pedagógico:

dimensões

conceituais.

Disponível

em:

http://escoladegestores.mec.gov.br/site/2-sala_projeto_vivencial/pdf/dimensoesconceituais.pdf .

 

MEC: Cadernos pedagógicos

 

 

 

 

 

 

Caderno

 

2

 

Alfabetização.

Disponível

em:

http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/alfabetizacao.pdf

 

 

Caderno

6

Cultura

e

Arte.

Disponível

em:

http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/cultura_artes.pdf

 

 

Caderno

8

Promoção

da

Saúde.

Disponível

em:

http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/pme/promocao_saude.pdf

 

 

DIEGUES, Antonio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Editora HUCITEC NUPAUB, 2008.

Base nacional curricular e as classes multisseriadas na Amazonia DOI http://dx.doi.org/10.23925/1809- 3876.2018v16i4p1408-1436

BARROS, Oscar Ferreira. A Organização do Trabalho Pedagógico das Escolas Multisseriadas: Indicativos

de saberes pedagógicos de resistência educacional no campo. In: HAGE, Salomão Mufarrej (Org.).

Educação do Campo na Amazônia: Retratos de realidade das escolas multisseriadas no Pará. Belém: Editora Gutemberg Ltda, 2005, pp. 163-195

cadernos secad 2 - Educação de campo: diferenças mudando paradigmas. disponível em: https://portal.ifrn.edu.br/campus/canguaretama/observatorio-da-diversidade/documentos-sobre-a- diversidade/educacao-do-campo-diferencas-mudando-paradigmas/view

Comunidades tradicionais e educação escolar no vale do Ribeira: violações de direitos e conflitos.

Disponivel em: https://unidadenadiversidade.com.br/comunidades-tradicionais-e-educacao-escolar- diferenciada-no-vale-do-ribeira/

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE ARTE – (ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Artes. Reflexões sobre a arte, seus significados e possíveis definições. As obras de arte e os contextos em que foram produzidas. A história do ensino da arte no Brasil e os novos pressupostos. O ensino da arte e formação do professor. O processo de ensino- aprendizagem em arte. História da Arte brasileira e estrangeira e sua multiplicidade de manifestações desde a pré-história até os dias atuais. Arte Contemporânea no Brasil. Dança. Teatro. Música. Arte indígena. Arte afro-brasileira. Cultura, identidades: Aspectos estéticos e político-sociais da visualidade Ocidental. Visualidades contemporâneas. Arte, Sistemas Culturais e significados estéticos e sociais. Elementos de linguagem Visual. Docência das Artes Visuais no ensino básico: Pedagogia das Artes Visuais. As diversas manifestações nas artes visuais. A arte através do tempo: da pré-história ao contemporâneo. Cinema e história do cinema. Metodologias para o Ensino das Artes Visuais. Planejamento e projetos escolares em Artes. Avaliação da aprendizagem em Artes.

Bibliografia Sugerida

Base Nacional Comum Curricular (Artes). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

GOMBRICH, Ernst H. A História da Arte. Cosac & Naify, Ltc Editora.

Parâmetros Curriculares Nacionais de Artes. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro06.pdf

PROENÇA, Graça. História da Arte. Ed. Ática.

MASCARELLO, Fernando. História do Cinema Mundial. Ed. Papirus.

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Ciências Naturais. O ensino e a aprendizagem de Ciências. Avaliação em Ciências. O fenômeno da vida. Transformações da matéria e energia. Reação e equilíbrio. Reprodução e hereditariedade. Evolução. A investigação científica. Leis e teorias. A química da vida: a água e os sais minerais. Glicídios e lipídios. Proteínas. Vitaminas. A visão geral da célula. Células procariotas e eucariotas. Vírus. Membrana plasmática. Citoplasma. Célula: respiração, fotossíntese e funções de núcleo. Núcleo, cromossomos, clonagem. Divisão celular. Alterações cromossômicas. Reprodução e desenvolvimento embrionário dos animais. Histologia animal. A origem da vida: teorias. Classificação dos seres vivos. Vírus. Procariontes. Protozoários e algas. Fungos. Briófitas e Pteridófitas. Gimnospermas e angiospermas. Fisiologia vegetal. Poríferos e cnidários. Platelmintos e nematódeos. Moluscos e anelídeos. Artrópodes. Equinodermos e protocordados. Peixes. Anfíbios. Répteis. Aves. Mamíferos. Anatomia e fisiologia humanas. Nutrição, respiração e circulação. Sistema urinário, endócrino, nervoso e sensorial. Primeira e segunda lei de Mendel. Polialelia e grupo sanguíneos. Interação gênica e pleiotropia. Ligação gênica. Sexo e herança genética. As aplicações da genética molecular. Evolução: teorias e métodos de estudo. Ecologia. Cadeias e teias alimentares. Ciclos biogeoquímicos. Populações. Reações entre os seres vivos. Sucessão ecológica. Distribuição dos organismos na biosfera. Poluição. Fundamentos do ensino e aprendizagem de Ciências e aplicação didática e metodológica dos conhecimentos nas práticas. Transformações de energia no cotidiano: luz, calor, eletromagnetismo, som e movimento. Relações de consumo a degradação ambiental e a busca da sustentabilidade. A complexidade das questões ambientais nas suas dimensões global e local. Interferência do ser humano nos ciclos naturais e impactos ambientais. Promoção da saúde individual e coletiva e ações voltadas para melhoria da qualidade de vida. Organismo humano. Sexualidade humana, contracepção e prevenção às doenças sexualmente transmissíveis e AIDS. Estudo dos movimentos. Força e Movimento. Leis de Conservação. Gravitação e fluidos. Ondas mecânicas. Movimento ondulatório. Cordas vibrantes e ondas bidimensionais. Som. Música. Óptica. Termodinâmica. Eletrostática. Eletrodinâmica. Eletromagnetismo. Física quântica.

Bibliografia Sugerida

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais.

Brasília: MEC /SEF, 1998.

CACHAPUZ, Antonio; CARVALHO, Anna Maria Pessoa de; GIL-PÉREZ, Daniel. A necessária renovação do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CAMPBELL, Neil A.; REECE, Jane B.; URRY, Lisa A.; CAIN, Michael L.; WASSERMANN, Steven A.; MINORSKY, Peter V.; JACKSON, Robert B. Biologia, 8. ed., Porto Alegre: Artmed. 2010.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de (org.). Ensino de ciências por investigação: condições para

implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de; GIL-PÉREZ, Daniel. Formação de professores de Ciências. São Paulo: Cortez, 2003. (Questões da Nossa Época, 26).

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura, Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4. ed., São

Paulo: Cortez, 2008. cap. 1, 3 e 5. CEBRID – Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas

Psicotrópicas. Livreto informativo sobre drogas psicotrópicas: Leitura recomendada para alunos a partir

da 6ª série do Ensino Fundamental. Disponível em: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/cebrid/drogas_psicotropicas.pdf \ DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André; PERNAMBUCO, Marta Maria. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3. ed., São Paulo Cortez, 2009.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. Física. 5. ed., São Paulo: EDUSP, 2001/2005. v. 1,

2 e 3. RIDLEY, Mark. Evolução. 3. ed., Porto Alegre: Artmed, 2006. TORTORA, G. J. Corpo Humano:

fundamentos de anatomia e fisiologia. 6. ed., Porto Alegre: Artmed, 2006.

Base Nacional Comum Curricular (Ciências Naturais). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

Parâmetros Curriculares Nacionais de Ciências Naturais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro04.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Educação Física. Jogos Cooperativos – uma pedagogia para o esporte: origem, evolução, primeiros movimentos, história no mundo e no Brasil, conceito, características, visão e princípios socioeducativos da cooperação. Pedagogia do esporte, o pedagogo do esporte, consciência da cooperação no esporte, cooperativa do esporte, categorias dos jogos cooperativos. A Educação Física no projeto político pedagógico: contexto do componente curricular, a Educação Física enquanto linguagem, o processo ensino aprendizagem na Educação Física. O esporte na escola. A sociabilização do jogo e do desporto, aprendizagem social no ensino dos desportos nas escolas, jogo ou esporte, metodologia do ensino dos jogos esportivos. O processo do desenvolvimento motor – sequência de desenvolvimento e aquisição dos padrões fundamentais do movimento. Aspectos biológicos do desenvolvimento e o movimento humano. Desenvolvimento motor e aprendizagem motora. Corporeidade e motricidade. Atividade física, saúde e qualidade de vida. Esportes coletivos e individuais. Atividades rítmicas e expressivas. Lazer, recreação e jogos. Atividade motora adaptada. Cinesiologia. Fisiologia do exercício. Cineantropometria. Atividades físicas para grupos especiais. Treinamento físico e desportivo. Conhecimentos básicos em Primeiros Socorros. Planejamento e prescrição da atividade física. Benefícios da prática de esportes. Contextualização sociocultural da prática desportiva. O corpo e o lúdico. Desenvolvimento e Aprendizagem Motora: fases do desenvolvimento e da aprendizagem motora. Fisiologia do treinamento: saúde e atividade física. Medidas e Avaliação em Educação Física. Os desportos: origem e evolução histórica, técnicas pedagógicas dos fundamentos e táticas. Dança. Conhecimentos técnicos em Voleibol, Handebol, Futebol e Basquetebol. Princípios da atividade física: individualidade biológica, da sobrecarga crescente, da especificidade, continuidade, reversibilidade. Conteúdos de orientação didático pedagógica. Atividade e aptidão física. Saúde e qualidade de vida. Abordagens pedagógicas da Educação Física. Ação docente na Educação Física Escolar. Organização do espaço pedagógico na escola. Conceitos Fundamentais do Desenvolvimento Motor. Perspectivas teóricas. Desenvolvimento perceptomotor. Desenvolvimento cognitivo. Fases do desenvolvimento (nascimento até a idade adulta). Desenvolvimento motor do nascimento até a idade adulta. Processamento de informações e tomada de decisões. Princípios da Performance humana habilidosa. Diferenças individuais e capacidades motoras. Estruturando a experiência de aprendizagem. Princípios de controle motor e precisão de movimentos. Crescimento e maturação biológica. Desenvolvimento biológico. Desenvolvimento e atividade física. Classificação das habilidades motoras. Sensação/Percepção, Atenção, Memória, Transferência de aprendizagem, Prática, Motivação. Condições de prática. Movimento coordenado. Capacidades Físicas. Atividades Inclusivas na Educação Física Escolar. Avaliação em Educação Física Escolar.

Bibliografia Sugerida

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Vol. Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BORGES, Cecilia. A formação de docentes de Educação Física e seus saberes profissionais. In: BORGES, Cecilia; DESBIENS, Jean François (Org.). Saber, formar e intervir para uma Educação Física em mudança. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 157-190.

DAOLIO, Jocimar. Da cultura do corpo. 13. ed. Campinas SP: Papirus, 2010.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 13. ed., São Paulo: Cortez, 2010.

KUNZ, Eleonor. Transformação didáticopedagógica do esporte. 7. ed., Ijuí: Unijuí, 2010.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e Educação Física. In: DE MARCO, Ademir (Org.) Educação Física:

cultura e sociedade. Campinas: Papirus, 2006.

STIGGER, Marco Paulo. Educação Física, esporte e diversidade. Campinas: Autores Associados, 2005.

ULASOWICZ, Carla; LOMÔNACO, José Fernando Bitencourt. Educação Física escolar e motivação: a

influência de um programa de ensino sobre a prática de atividades físicas. Curitiba: CRV, 2011.

ROSSETO, A, ARDIGO, A.J.R; COSTA, C.M. DANGELO, F. Jogos Educativos: estrutura e organização da

prática. São Paulo: Phorte,2006.

ROSSETO, A; COSTA, C.M. DANGELO, F. Práticas Pedagógicas Reflexivas em esporte Educacional. São Paulo: Phorte, 2008.

Educação Física adaptada e inclusão no meio escolar - MATEUS GISAN DE MOURA COSTA; MICHEL DE LEMOS HENRICH e RODRIGO BARBOSA ROSA https://www.portaleducacao.com.br/educacao- fisica/artigos/56404/educacao-fisicaadaptada-e-inclusao-no-meio-escolar

Jogos Cooperativos: contemplando a sociedade do século XXI

Cristiano dos Santos Araújo e Tiago Aquino da Costa e Silva. – São Paulo: Supimpa, 2019

Jogos e culturas indígenas: possibilidades para a educação intercultural na escola

Beleni Saléte Grando. – Cuiabá: EdUFMT, 2010 http://www2.esporte.gov.br/arquivos/snelis/esporteLazer/cedes/jogosCulturasIndigenas.pdf

Base Nacional Comum Curricular (Educação Física). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação Física. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro07.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE GEOGRAFIA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Geografia. A Geografia e a compreensão do Mundo. O Planeta Terra, os continentes, as ilhas e os oceanos. Relevo e hidrografia. Clima e vegetação. O campo e a cidade. Setores da Economia. Industrialização. Território brasileiro. Brasil população. Urbanização brasileira. Diferentes formas de regionalizar o Brasil. A evolução do pensamento geográfico e os novos paradigmas de ciência. As fontes e a evolução da concepção da natureza do homem e da economia na geografia: Os impactos da economia mundial sobre o meio ambiente e suas relações com a sociedade. Abordagem dos conceitos da geografia de paisagem, espaço, sociedade, região, território. Geopolítica da globalização: organismos internacionais, comércio internacional e desigualdades. Metodologia do ensino e aprendizagem da geografia: os novos recursos didáticos. As diferentes propostas curriculares e o livro didático na geografia. Ensino e pesquisa em geografia. Alfabetização e linguagem cartográfica. A cartografia nos diversos níveis de ensino. Orientação, localização e representação da terra. A divisão política, administrativa e o planejamento do território brasileiro. A divisão do espaço brasileiro segundo

o IBGE. As regiões geoeconômicas brasileiras. Conceitos demográficos fundamentais. Crescimento populacional. Teorias demográficas e desenvolvimento sócio econômico. Distribuição geográfica da população. Estrutura da população. Migrações populacionais. O processo de industrialização e a urbanização brasileira e as consequências ambientais. Relação cidade e campo. A geografia agrária e as transformações territoriais no campo brasileiro. Agricultura e meio ambiente. Brasil, território e nação: A produção do espaço geográfico brasileiro, o Brasil e a nova ordem mundial e o Brasil no contexto regional. Organizações e blocos econômicos. Conflitos, problemas e propostas do mundo atual. Quadro natural (relevo vegetação, clima, solos e hidrografia) numa perspectiva global, nacional e regional. Clima e aquecimento global. Conservação, preservação e degradação ambiental no Brasil. Políticas públicas e gestão ambiental no Brasil. Representações e práticas sociais em educação ambiental.

Bibliografia Sugerida

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: geografia. Brasília, MEC/SEB, 1998.

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 7. ed. São

Paulo: Ateliê, 2012.

CASTROGIOVANNI, A. Carlos; CALLAI, Helena; KAERCHER, Nestor André. Ensino de Geografia: práticas

e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2001.

DURAND, Marie-Françoise et. al. Atlas da Mundialização: compreender o espaço mundial

contemporâneo. Tradução de Carlos Roberto Sanchez Milani. SãoPaulo: Saraiva, 2009.

MARTINELLI, Marcello. Mapas da Geografia e da Cartografia Temática. São Paulo: Contexto, 2003.

MORAES, Antonio Carlos Robert de. Geografia: Pequena história crítica. 12. ed., São Paulo: Hucitec, 1993.

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches (Org.). Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996. SANTOS, Milton.

A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed., São Paulo: Edusp, 2006.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 2. ed.,

Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização. Rio de Janeiro: Record, 2004. SOUZA, Marcelo Lopes. O

ABC do Desenvolvimento Urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

THÉRY, Hervé; MELLO, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. São

Paulo: EDUSP, 2010.

TOLEDO, Maria Cristina Motta de; FAIRCHILD, Thomas Rich; TEIXEIRA, Wilson. (Org.). Decifrando a Terra. São Paulo: IBEP, 2009. BRASIL.

Base Nacional Comum Curricular (Geografia). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE HISTÓRIA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de História. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das

Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Fundamentos teóricos do Pensamento Histórico. Didática e prática dos procedimentos de produção do conhecimento histórico. Linguagem e ensino de História. Transversalidade, novas formas de abordagem e renovação do ensino de História. Da pré-história ao feudalismo. Formação da Europa Medieval. Civilizações da Antiguidade oriental e ocidental. A Era Medieval. A Expansão Europeia. Formação do Mundo Contemporâneo. Brasil: Sistema Colonial, Império e República. História da América. Capitalismo Mercantil. A Revolução Industrial. Primeira e Segunda Guerra Mundial. A Crise de 1929. Regimes totalitários pelo mundo ao longo da História. Emancipações Políticas. A Proclamação da República. A escravatura. A Inconfidência Mineira e o processo de independência. Brasil República no Século XX. A Era Vargas. Mudanças na constituição ao longo do tempo. Os direitos trabalhistas ao longo do tempo.

ARevolução de 30 e o Estado Novo (1930-1945). A democracia populista (1945-1964). A Ditadura Militar no Brasil. O movimento “Diretas Já”. A política no Brasil nos anos 80 e 90. Guerras, Revoluções e Revoltas no Brasil. O processo de redemocratização. Informações sobre acontecimentos no mundo contemporâneo. Os programas sociais no Brasil no século XXI. A política nos anos 2000.

Bibliografia Sugerida

ANDERSON, Perry. Passagens da antiguidade ao feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 5. ed. 1994 (2a reimp, 1998).

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005.

FREITAS, Marcos Cezar de. Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Editora Contexto, 2001.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005.

BURKE, Peter. Variedades de História Cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. CERRI, Luis

Fernando. Ensino da História e consciência histórica. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2011.

FONSECA, Selva G. Didática e Prática de Ensino de História. Campinas: Editora Papirus, 2005. FREITAS,

Marcos Cezar de. Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Editora Contexto, 2001.

FUNARI, Pedro Paulo e PIÑON, Ana. A temática indígena na escola. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

FUNARI, Pedro Paulo; FILHO, Glaydson José da e MARTINS, Adilton Luís. História Antiga: contribuições

brasileiras. São Paulo: AnnaBlume, 2009.

HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de Aula: visita à História contemporânea. São Paulo: Editora Selo Negro, 2010.

JUNIOR, Hilário Franco. A idade Média: nascimento do Ocidente. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

REIS, José Carlos. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2002.

RUSEN, Jorn. O 28 livro didático ideal. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel e MARTINS,

Estevão de Rezende. Jorn Rusen. O ensino da História. Curitiba: Editora UFPR, 2011.

SILVIA, Janice Theodoro da. Descobrimentos e colonização. São Paulo: Editora Ática,1998.

SOIHET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda Baptista e GOUVÊA, Maria de Fátima Silva (Orgs.). Culturas políticas. Rio de Janeiro: EDITORA Mauad/FAPERJ, 2005.

Parâmetros Curriculares Nacionais de História. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_5a8_historia.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro051.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA – (EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Língua Estrangeira. Purpose: Use structure, vocabulary, grammar, lecture strategies inside and outside texts. Translate texts as really are, however in a different way. Gramar: Nouns (gender, contable and uncountable). Articles (indefinite and definite). Prepositions. Conjuctions. Verbs [conjugation, verb tense (present, past and future), auxiliary verbs, regular verbs, gerund, infinitive, modal verbs, anomalous verbs and common verbs]. Adverbs (Kinds, comparative degree of superiority, comparative degree of equality and comparative degree of inferiority and superlative). Adjectives (comparative degree of superiority, comparative degree of equality and comparative degree of inferiority and superlative). Pronouns (personal, relative, interrogative, possessive, adjective, reflexive, demonstrative). Interjections. Lecture Strategies, skimming, cognate, conective, text references, prefix and sufix. Vocabulary (synonym and antonym). Passive Voice. Direct and Indirect Speech. Tag Endings. If-Clause. Problematic Pairs. Read, comprehend, understand and analyse the elements from text will give you basis to answer the interpretative and grammar questions. The indefinite articles: a/an. Plural of nouns. Personal and reflexive pronouns. Possessive adjectives and pronouns. Interrogative words. Prepositions. Simple present tense. Present continuous tense. Simple future. Modal verbs. Question tag. Simple past tense. Present perfect tense.

Bibliografia Sugerida

RICHARD’S, J.C. & RODGERS T. Approaches and methods in Language Teaching. A description and Analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1986

Almeida Filho, José Carlos Paes de; Barbirato, Rita. Ambientes comunicativos para aprender línguas estrangeiras. Trabalhos de linguística aplicada, Campinas, v. 36, n. 1, p. 23-42, 2000.

Jalil, Samira Abdel; Procailo, Leonilda. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras: perspectivas e

reflexões sobre os métodos, abordagens e o pós-método. In: Congresso Nacional de Educação, 9.;

Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, 3. Anais... Paraná: PUCPR, 2009, p.774-784.

Base Nacional Comum Curricular (Língua Estrangeira). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

MARQUES, Amadeu. On Stage. Vol. 1, 2 e 3. Ed. Ática.

MURPHY, Raymond. Essential Grammar in Use. Cambridge University Press. _English Grammar in Use. Cambridge University Press.

Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Estrangeira. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Língua Portuguesa. Concepções de língua linguagem como discurso e processo de interação: conceitos básicos de dialogismo, polifonia, discurso, enunciado, enunciação, texto, gêneros discursivos. Conceitos em Linguística. Saussure. Oralidade: concepção, gêneros orais, oralidade e ensino de língua, particularidades do texto oral. Leitura: concepção, gêneros, papel do leitor, diferentes objetivos da leitura, formação do leitor crítico, intertextualidade, inferências, literatura e ensino, análise da natureza estética do texto literário. Escrita: produção de texto na escola, papel do interlocutor, contexto de produção, gêneros da escrita, fatores linguísticos e discursivos da escrita, o trabalho da análise e revisão de reescrita de textos. Análise Linguística: o texto (oral e escrito) como unidade privilegiada na análise reflexão da linguagem, os efeitos do sentido provocados pelos elementos linguísticos, à norma padrão e as outras variedades linguísticas. Linguagem oral e linguagem escrita:

Relações entre fala e escrita: perspectiva não dicotômica. Relações de independência, de dependência

e de interdependência. O ensino de leitura e compreensão de textos: Estratégias de leitura. Objetivos do ensino da Língua Materna. Concepções de linguagem. Concepção de gramática. A variação linguística e o ensino da língua materna. Variação dialetal. O texto e o discurso. Gramática de uso e gramática reflexiva. Gramática teórica e gramática normativa. Questões fundamentais para o ensino da gramática: objetivos do ensino da língua materna. Concepções de linguagem. Conceito de gramática. Tipos de gramática. Tipos de ensino de língua. A variação linguística e o ensino de língua materna. Variação dialetal. Variações de registro. O texto e o discurso. O ensino de gramática. A gramática de uso. A gramática reflexiva. A gramática teórica. A gramática normativa. Linguagem e educação linguística. O ensino da língua portuguesa. A linguística, a gramática escolar e o ensino da Língua Portuguesa.

Bibliografia Sugerida

GERALDI, João Wanderley. et al. (orgs.). O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 1999.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, ALB. Mercado de Letras, 1996, 96 p., Coleção Leituras do Brasil.

FRANCHI, C. Mas o que é mesmo “gramática?” In: POSSENTI, S. (org.). Mas o que é mesmo

“gramática”?. São Paulo: Parábola, 2006.

KLEIMAN, Angela Del Carmen Bustos Romero de. Letramento na contemporaneidade. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso, [S.l.], v. 9, n. 2, p. Port. 72-91 / Eng. 78-97, nov. 2014. ISSN 2176- 4573. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/bakhtiniana/article/view/19986/15597

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

Base Nacional Comum Curricular (Língua Portuguesa). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

BECHARA, Evanildo. Ensino da gramática. Opressão? Liberdade? Ed. Ática.

CUNHA, Celso. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Ed. Lexikon _Moderna Gramática Portuguesa. Ed. Nova Fronteira, Ed. Lucerna. LUFT, Celso Pedro. Língua e Liberdade. Ed. Ática.

ORLANDI, Eni. O que é Linguística? Ed. Brasiliense.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Oralidade e letramento – Da fala para a escrita. Ed. Cortez.

Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf

PLATÃO e FIORIN. Lições de texto. Leitura e redação. Ed. Ática.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. Ed. Cultrix.

TERRA, Ernani; NICOLA, José de. Práticas de Linguagem. Leitura e Produção de Textos. Ed. Scipione.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e Interação: uma proposta para o ensino da gramática. Ed. Cortez.

Vários autores. Língua, Literatura e Produção de Textos. Ed. Ática. Vol. 1, 2 e 3.

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE MATEMÁTICA – (ENSINO FUNDAMENTAL 6º AO 9º ANO E SUPLÊNCIA DE 5ª A 8ª SÉRIE)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Base Nacional Comum Curricular de Matemática. Aritmética e conjuntos: Os conjuntos numéricos (naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais). Operações básicas, propriedades, divisibilidade, contagem e princípio multiplicativo. Proporcionalidade. Álgebra. Equações de 1º e 2º graus. Funções elementares, suas representações gráficas e aplicações: lineares, quadráticas, exponenciais, logarítmicas e trigonométricas. Progressões aritméticas e geométricas. Polinômios. Números complexos. Matrizes, sistemas lineares e aplicações na informática. Fundamentos de matemática financeira. Espaço e forma: Geometria plana, plantas e mapas. Geometria espacial. Geometria métrica. Geometria analítica. Tratamento de dados: Fundamentos de estatística. Análise combinatória e probabilidade. Análise e interpretação de informações expressas em gráficos e tabelas. Matemática, sociedade e currículo: Currículos de Matemática e recentes movimentos de Reforma. Os objetivos da Matemática na Educação Básica. Seleção e organização dos conteúdos para o Ensino Fundamental. Tendências em Educação Matemática (resolução de problemas, modelagem, etnomatemática, história da matemática e mídias tecnológicas).

Bibliografia Sugerida

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Matemática – Ensino de 5ª a 8ª séries

-Brasília: MEC/SEF 1998. BICUDO, Maria Aparecida Viggiani (Org.). Educação Matemática. 2 ed., São Paulo: Centauro,

2005. BOYER, Carl B. História da matemática. 3. ed., São Paulo: Edgard Blucher, 2010. D’AMBRÓSIO, Ubiratan.

Educação Matemática: da teoria à prática. 13. ed., Campinas, SP: Papirus, 2006. DEVLIN, Keith. O gene

da matemática: o

talento para lidar com números e a evolução do pensamento matemático. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FIORENTINI,

Dario; Lorenzato, Sergio. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos.

Campinas: Autores

associados, 3. ed., 2009. MACHADO, Nilson José. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. 6.

ed. São Paulo: Cortez, 2011. PARRA, Cecília; SAIZ, Irma (Org.). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas.

Tradução de Juan Acunã Llorens. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. PIRES, Célia Maria Carolino. Currículos de

Matemática: da organização linear à ideia de rede. São Paulo: FTD, 2000. CÂNDIDO, Suzana Laino. Formas num mundo

de formas. São Paulo, Moderna, 1997.

Base Nacional Comum Curricular (Matemática). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

DANTE, Luiz Roberto. Matemática: Contexto e Aplicações. Vol. Único. Ed. Ática. PAIVA, Manoel. Matemática Moderna Plus. Ed. Moderna.

Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/matematica.pdf

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO – EDUCAÇÃO INCLUSIVA INTELECTUAL/MENTAL)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Organização das Nações Unidas e convenção sobre os Direitos das Pessoas com Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Princípios e fundamentos da Educação Especial. Educação inclusiva (concepção, diferenças e preconceitos na escola, transtornos emocionais na escola, necessidades educativas especiais e aprendizagem). Atendimento Educacional Especializado (AEE) – Alunos com deficiência mental. Deficiência e protocolo facultativo. Normas para a educação de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais. Resolução SE 11/2008, que dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas (Com as alterações introduzidas pela Resolução SE nº 31/2008). Equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência mental: recursos pedagógicos adaptados.

Bibliografia Sugerida

Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Mental. SEESP / SEED / MEC: Brasília, 2007.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dm.pdf.

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2007). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. -- 4. ed., rev. e atual. – Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2011.

BATISTA, Cristina Abranches Mota. Educação inclusiva: atendimento educacional especializado para a deficiência mental. [2. ed.] / Cristina Abranches Mota Batista, Maria Teresa Egler Mantoan.

– Brasília: MEC, SEESP, 2006. 68 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/defmental.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica / Secretaria de Educação Especial – MEC; SEESP, 2001. 79 p.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: recursos pedagógicos adaptados / Secretaria de Educação Especial - Brasília: MEC: SEESP, 2002, fascículo 1. 56p.

FRIAS, Elzabel Maria Alberton Frias. Inclusão Escolar do Aluno com Necessidades Educacionais Especiais: Contribuições ao Professor do Ensino Regular. Material Didático - Pedagógico apresentado ao Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE da Secretaria de Estado da Educação do Paraná, sob orientação da Profª Mestre Maria Christine Berdusco Menezes. Paranavaí, 2008/2009.

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf.

Resolução SE 11/2008, que dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/11_08.htm

Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência) http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA

Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 4, DE 2 DE OUTUBRO DE 2009 (*)

Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação

Especial.

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO – EDUCAÇÃO INCLUSIVA AUDIOCOMUNICAÇÃO)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Organização das Nações Unidas e convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Princípios e fundamentos da Educação Especial. Educação inclusiva (concepção, diferenças e preconceitos na escola, transtornos emocionais na escola, necessidades educativas especiais e aprendizagem). Resolução SE 11/2008, que dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas (Com as alterações introduzidas pela Resolução SE nº 31/2008). Atendimento Educacional Especializado (AEE) – Alunos com surdez. Legislação sobre a acessibilidade dos surdos e oficialização da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Abordagens Educacionais na Educação de surdos: Oralismo, Comunicação Total e Bilinguismo. Análise Crítica das Filosofias Educacionais para Surdos. História da Educação para Surdos. O Processo da Integração Educacional do Surdo. Legislação sobre a acessibilidade dos surdos e oficialização da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Código de ética de Intérprete de Língua de Sinais. O intérprete da Língua de Sinais: conceituação, requisitos, tipos e utilização dos serviços prestados.

Bibliografia Sugerida

Atendimento Educacional Especializado: Pessoa com Surdez. SEESP / SEED / MEC: Brasília, 2007.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_da.pdf.

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2007). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. -- 4. ed., rev. e atual. – Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica / Secretaria de Educação Especial – MEC; SEESP, 2001. 79 p.

Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica / Heloisa Maria

Moreira Lima Salles... [et al] . _ Brasília : MEC, SEESP, 2004. 2 v. : il. .__(Programa Nacional de Apoio

àEducação dos Surdos). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lpvol2.pdf.

FRIAS, Elzabel Maria Alberton Frias. Inclusão Escolar do Aluno com Necessidades Educacionais Especiais: Contribuições ao Professor do Ensino Regular. Material Didático - Pedagógico apresentado ao Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE da Secretaria de Estado da Educação do Paraná, sob orientação da Profª Mestre Maria Christine Berdusco Menezes. Paranavaí, 2008/2009.

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos – Brasília: MEC; SEESP, 2004.

94p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorlibras.pdf.

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº

948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf.

Programa Nacional de apoio à Educação de Surdos. Ensino de Língua Portuguesa para Surdos –

Caminhos para a Prática Pedagógica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lpvol2.pdf

Resolução SE 11/2008, que dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/11_08.htm

Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência) http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA

Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 4, DE 2 DE OUTUBRO DE 2009 (*)

Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação

Especial.

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Didática da Educação: Planejamento de ensino, projeto de educação, plano de curso, plano de aula. Didática Organizacional. Metodologia do Ensino. História da Educação. Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem. Teorias de aprendizagem, Andragogia – Educação de Jovens e Adultos. Taxionomias de objetivos de aprendizagem. Projeto Político Pedagógico. Organização e Gestão da Sala de Aula. Tecnologia da Informação e Educação. Ética na Educação. Educação nas Organizações. Diagnósticos Organizacionais. Gestão de Pessoas e Educação. Planejamento e Gestão para a Educação Corporativa. O Pedagogo nas Organizações: aspectos legais, éticos, políticos e administrativos. Capacitação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas: papel e objetivos. Planejamento, levantamento de necessidades, métodos e técnicas. Avaliação e Acompanhamentos dos Programas de Educação Corporativa: Objetivos e aplicações.

Bibliografia Sugerida

Gestão Democrática na Escola Pública e o Papel do Gestor. Material Didático – Caderno Pedagógico apresentado à Secretaria Estadual da Educação, como requisito parcial à obtenção do título de Professora PDE, sob responsabilidade da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, campus Cascavel-Pr, para o período de 2013/2014, sob a orientação do Professor Adrian Alvarez Estrada. Cascavel, 2013/2014.

RODRIGUES, Marisa de Almeida. Gestão de Sala de Aula em uma Escola Pública de Qualidade. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de

Pós-Graduação em Educação do Departamento de Educação da PUC-Rio. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/18524/18524_1.PDF.

PELISSONI, Adriane M. Soares. Objetivos Educacionais e Avaliação da Aprendizagem. Anuário da Produção Acadêmica Docente. Vol. III, nº 5. Anhanguera Educacional: Campinas, 2009. Disponível em:

http://www.fcav.unesp.br/Home/departamentos/fitossanidade/ODAIRAPARECIDOFERNANDES/objetiv os-educacionais-e-avaliacao-o-ensino-superior.pdf.

SOARES, Leôncio. Formação de educadores de jovens e adultos / organizado por Leôncio Soares

. — Belo Horizonte : Autêntica/ SECAD-MEC/UNESCO, 2006. 296 p. 1.Educação de jovens e adultos. 2.Formação de professores. I.Título.

https://unesdoc.unesco.org/in/documentViewer.xhtml?id=p::usmarcdef_0000149314&file=/in/rest/an notationSVC/DownloadWatermarkedAttachment/attach_import_a8d986a1-f906-4a61-83f3- 6bd373e1c034%3F_%3D149314porb.pdf&locale=en&multi=true&ark=/ark:/48223/pf0000149314/PD F/149314porb.pdf#page=284&zoom=auto

EVANGELISTA, Izabel Alcina Soares. Planejamento Educacional: concepções e fundamentos Ano 1,

vol. 2. Santarém/PA: Editora Perspectiva Amazônica, 2011.

Disponível

em:

https://docplayer.com.br/3733516-Planejamento-educacional-concepcoes-e-

fundamentos.html.

 

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 2013.

MANFREDI, Sílvia Maria. Metodologia do Ensino – Diferentes Concepções. Campinas, 1993. Disponível em:

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1974332/mod_resource/content/1/METODOLOGIA-DO- ENSINO-diferentes-concepções.pd

FOCHESATTO, Sidney Alberto; QUADROS, Maria Suelena Pereira de. Educação Corporativa. Curitiba: Iesde Brasil, 2012

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO ARTE E CULTURA)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Aspectos conceituais do ensino da arte. Arte como expressão. Arte como linguagem e arte como área de conhecimento. Abordagens metodológicas do ensino da arte. Contextualização, reflexão e fazer artístico. Artes visuais e percepção visual. História da arte, movimentos artísticos. Originalidade e continuidade. Elementos formais das Artes Visuais, da Dança, da Música e do Teatro. Educação artística e educação estética. Base Nacional Comum Curricular de Artes.

Bibliografia Sugerida

Base Nacional Comum Curricular (Artes). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

GOMBRICH, Ernst H. A História da Arte. Cosac & Naify, Ltc Editora.

Parâmetros Curriculares Nacionais de Artes. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro06.pdf

PROENÇA, Graça. História da Arte. Ed. Ática.

PARA O CARGO DE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO JOGOS PEDAGÓGICOS)

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Jogos Digitais. A criança e o jogo. O ensino e o uso dos jogos educacionais. Os jogos educacionais e a educação inclusiva. A importância dos jogos na aprendizagem. O lúdico na aprendizagem. a importância dos jogos no desenvolvimento infantil: aspectos cognitivos e afetivos. O ensino da Matemática através de jogos. Base Nacional Comum Curricular (Matemática e/ou Educação Física).

Bibliografia Sugerida

Jogos Cooperativos: contemplando a sociedade do século XXI

Cristiano dos Santos Araújo e Tiago Aquino da Costa e Silva. – São Paulo: Supimpa, 2019

Jogos e culturas indígenas: possibilidades para a educação intercultural na escola

Beleni Saléte Grando. – Cuiabá: EdUFMT, 2010 http://www2.esporte.gov.br/arquivos/snelis/esporteLazer/cedes/jogosCulturasIndigenas.pdf

GRANDO, Regina Celia. O jogo [e] suas possibilidades metodologicas no processo ensino- aprendizagem da matematica. 1995. 175f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253786

http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/253786/1/Grando_ReginaCelia_M.pdf

A importância da brincadeira para criança de acordo com Jean

 

Chateau.

Disponível

em:

http://congressos.cbce.org.br/index.php/4concoce/4concoce/paper/viewFile/2616/1167

 

A Matemática e o Jogo: Influência no rendimento escolar. Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012906.pdf

Base Nacional Comum Curricular (Matemática e/ou Educação Física). Disponível em: Disponível

em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

Brinquedos e brincadeiras na Educação Infantil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7155-2-3-brinquedos-brincadeiras-tizuko- morchida/file

CHATEAU, JEAN. O Jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.

Jogo e protagonismo da criança na educação infantil. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpe/v28n1/v28n1a05.pdf

O ensino e aprendizagem através dos jogos e brincadeiras. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD4_SA17_ID5425_0607 2016164532.pdf

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume2.pdf

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf

Uma leitura de Vygotsky sobre o brincar na aprendizagem e no

desenvolvimentoinfantil.Disponívelem: http://brincarbrincando.pbworks.com/f/brincar%20_vygotsky.pdf

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA – (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º AO 9º ANO HÁBITOS E ATITUDES

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

O conhecimento científico: evolução histórica. Ensino de Ciências. Evolução e contextualização na

sociedade brasileira. O ensino de Ciências e as questões sociais: ambiente, saúde, orientação sexual, ética e pluralidade cultural. Relação entre os seres vivos e o ambiente. O homem e a sua ação sobre o ambiente. Princípios básicos que regem as funções vitais dos seres vivos. Relação entre estruturas e funções dos sistemas e suas adaptações ao meio. Caracterização dos grandes grupos animais e vegetais. O Corpo humano como um todo em equilíbrio. Desequilíbrios: endemias, drogas, desnutrição. Continuidade das espécies. Evolução. Reprodução. Hereditariedade. Fundamentos teóricos da Química. Conceitos, leis, relações e princípios básicos. Interações e transformações químicas. Fundamentos teóricos da Física. Conceitos, leis, relações e princípios básicos.

Bibliografia Sugerida

Base Nacional Comum Curricular (Ciências Naturais). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf

Parâmetros Curriculares Nacionais de Ciências Naturais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro04.pdf

LINHARES, Sérgio e GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia Hoje. Ed. Ática. Vol. 1, 2 e 3. GASPAR, Alberto. Compreendendo a Física. Ed. Ática. Vol. 1, 2 e 3.

REIS, Martha. Química. Vol. 1, 2 e 3. Ed. Ática.

ANEXO III

HABILITAÇÃO NECESSÁRIA DOS DOCENTES PARA MINISTRAREM AULAS NAS DISCIPLINAS DO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

São considerados habilitados todos os portadores de licenciatura específica ou equivalente, a disciplina própria da licenciatura ou aquelas resultantes de seu desdobramento e que, sob denominações diversas, se referem à mesma matéria de estudo, comprovada a carga horária mínima de 160 horas na disciplina pretendida em seu currículo.

HISTÓRIA: OS PORTADORES DE DIPLOMA DE:

a)Licenciatura em História;

b)Licenciatura em Estudos Sociais, com Habilitação em História;

c)Licenciatura em Ciências Sociais, com Habilitação em História;

d)Licenciatura em Geografia, com Habilitação em História.

GEOGRAFIA: OS PORTADORES DE DIPLOMA DE:

a)Licenciatura em Geografia;

b)Licenciatura em Estudos Sociais, com Habilitação em Geografia;

c)Licenciatura em Ciências Sociais, com Habilitação em Geografia;

d)Licenciatura em História, com Habilitação em Geografia.

CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS: OS PORTADORES DE DIPLOMA DE:

a)Licenciatura em Ciências Biológicas;

b)Licenciatura em Biologia;

c)Licenciatura em História Natural;

d)Licenciatura em Ciências, com Habilitação em Biologia, Química, Matemática, Física;

e)Licenciatura em Ciências da Natureza;

f)Licenciatura em Ciências Exatas

g)Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental;

h)Licenciatura em Ciências Naturais, com Habilitação em Ciências;

ARTE: OS PORTADORES DE DIPLOMA DE:

a)Licenciatura em Educação Artística;

b)Licenciatura em Arte, em qualquer das linguagens: Artes Visuais, Artes Plásticas, Design, Música, Teatro, Artes Cênicas e Dança

MATEMÁTICA: OS PORTADORES DE DIPLOMA DE:

a)Licenciatura em Matemática;

b)Licenciatura em Ciências Exatas, com Habilitação em Matemática;

c)Licenciatura em Ciências, com Habilitação em Matemática;

d)Licenciatura em Ciências Biológicas, com Habilitação em Matemática;

e)Licenciatura em Ciências da Natureza;

f)Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática;

g)Licenciatura em Computação, com Habilitação em Matemática;

i)Licenciatura em Física, com Habilitação em Matemática;

j)Licenciatura em Química, com Habilitação em Matemática.

Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 Disposições Finais

Disposições Finais do Concurso Ilhabela SP 2020.

ANEXO IV – CRONOGRAMA

INÍCIO

HORÁRIO

TÉRMINO

HORÁRIO

EVENTOS

INÍCIO

TÉRMINO

 

 

 

 

 

 

 

 

27/10/2020

 

27/10/2020

 

Publicação do Edital de Abertura

 

 

 

 

 

28/10/2020

10h00

23/11/2020

23h59

Período de inscrições

28/10/2020

10h00

23/11/2020

23h59

Período de envio dos Títulos.

28/10/2020

10h00

23/11/2020

23h59

Envio de laudos para comprovação PCD e condição

especial

 

 

 

 

 

28/10/2020

10h00

29/10/2020

23h59

Período de solicitação de isenção do valor da inscrição

28/10/2020

10h00

29/10/2020

23h59

Período de envio de documentação de comprovação para

Isenção.

 

 

 

 

 

04/11/2020

10h00

04/11/2020

 

Divulgação do resultado das solicitações de isenção

 

 

 

 

 

05/11/2020

10h00

06/11/2020

23h59

Período de recurso contra resultado das isenções

 

 

 

 

Divulgação do resultado final das solicitações de Isenção e

11/11/2020

10h00

11/11/2020

 

respostas aos recursos contra isenção, somente para

 

 

 

 

divulgação no site do INR.

 

 

 

 

 

11/11/2020

10h00

11/11/2020

 

Resultado dos recursos de isenção

 

 

 

 

 

24/11/2020

 

24/11/2020

 

Vencimento do Boleto

25/11/2020

10h00

25/11/2020

 

Divulgação das Inscrições confirmadas

26/11/2020

10h00

27/11/2020

23h59

Período de recurso contra inscrições indeferidas

 

 

 

 

 

11/12/2020

10h00

11/12/2020

 

Divulgação do resultado dos Recursos de Inscrição

11/12/2020

10h00

11/12/2020

 

Publicação do Edital de Convocação para as Provas

 

Objetivas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20/12/2020

 

20/12/2020

 

Aplicação das Provas Objetivas e Dissertativas

 

 

 

 

 

21/12/2020

00h00

22/12/2020

23h59

Correção Cadastral

21/12/2020

10h00

21/12/2020

 

Divulgação do Gabarito Provisório

22/12/2020

10h00

23/12/2020

23h59

Prazo recursal contra o gabarito provisório

 

 

 

 

 

08/01/2021

10h00

08/01/2021

 

Divulgação do resultado provisório das provas objetivas,

 

títulos e dissertativas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

08/01/2021

10h00

08/01/2021

 

Divulgação das respostas dos recursos contra o gabarito

 

provisório

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11/01/2021

10h00

12/01/2021

23h59

Prazo recursal contra o resultado provisório da prova

objetiva

 

 

 

 

 

11/01/2021

10h00

12/01/2021

23h59

Prazo recursal contra o resultado provisório da prova

 

 

 

 

Dissertativa

11/01/2021

10h00

12/01/2021

23h59

Prazo recursal contra o resultado provisório dos Títulos

21/01/2021

10h00

21/01/2021

 

Divulgação das respostas dos recursos contra o resultado

 

provisório das provas objetivas, dissertativas e títulos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

21/01/2021

10h00

21/01/2021

 

Divulgação do edital de resultado final e homologação do

 

certame

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apostila Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa


Apostila Concurso Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF Edital Online Inscrições
Apostila PDF Digital e Impressa
03 Apostilas Disponíveis
Link Direto de cada Apostila PDF e Impressa

Apostila Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa Cargo Professor de Educação Básica - Educação Infantil (1 a 5 anos) Clicando Aqui!

Apostila Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa Cargo Professor de Educação Básica - Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) Clicando Aqui!

Apostila Prefeitura de Ilhabela SP 2020 PDF e Impressa Comum aos Cargos de Professor Clicando Aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário